PENSAR "GRANDE":

***************************************************
[NÃO TEMOS A PRESUNÇÃO DE FAZER DESTE BLOGUE O TEU ''BLOGUE DE CABECEIRA'' MAS, O DE APENAS TE SUGERIR UM ''PENSAR GRANDE''].
***************************************************


“Pode-se enganar a todos por algum tempo; Pode-se enganar alguns por todo o tempo; Mas não se pode enganar a todos todo o tempo...” (Abraham Lincoln).=>> A MÁSCARA CAIU DIA 18/06/2012 COM A ALIANÇA POLÍTICA ENTRE O PT E O PP.

----

''Os Economistas e os artistas não morrem..." (NHMedeiros).

"O Economista não pode saber tudo. Mas também não pode excluir nada" (J.K.Galbraith, 1987).

"Ranking'' dos políticos brasileiros: www.politicos.org.br

=========
# 38 RÉUS DO MENSALÃO. Veja nomes nos ''links'' abaixo:
1Radio 1455824919 nhm...

valor ...ria...nine

folha gmail df1lkrha

***

quarta-feira, junho 05, 2013

QUEM LÊ TANTA NOTÍCIA?

SINOPSES - RESUMO DOS JORNAIS

05 de junho de 2013

O Globo

Manchete: Tensão fundiária: Governo põe Força Nacional para conter conflito indígena
Ministro manda 110 homens para Mato Grosso do Sul, onde outro terena foi baleado.

Invasores de Belo Monte vão a Brasília em aviões da FAB; reunião acaba sem acordo.

Horas após outro índio terena ser ferido à bala durante a invasão de uma fazenda, o governo aceitou o pedido do governador de Mato Grosso do Sul e anunciou o envio de 110 policiais da Força Nacional de Segurança ao estado. O prazo para a desocupação da Fazenda Buriti termina hoje e os índios ameaçam resistir. No Planalto, o ministro Gilberto Carvalho recebeu índios que ocupavam a usina de Belo Monte, levados a Brasília em aviões da FAB. Ele disse que Dilma criticou o cumprimento da reintegração de posse em Mato Grosso do Sul. (Págs. 1 e 3)
Imposto zero para atrair dólares
Governo elimina IOF de investimento estrangeiro na renda fixa. Objetivo é atrair dólares para baratear importados, ajudar no controle da inflação e financiar déficit externo; indústria surpreende e cresce em abril. (Págs. 1 e 19)
Gastos públicos: Câmara cria mais municípios
A Câmara aprovou projeto que permite a criação de municípios — uma medida que pode causar despesas de R$ 8 bi anuais. O texto volta agora ao Senado. (Págs. 1 e 5)
Logística: Dilma veta renovação automática em porto
A MP dos Portos será publicada hoje com vetos. Entre eles, a renovação automática de terminais assumidos pelo setor privado depois de 1993. (Págs. 1 e 20)
Muy hermanos: Argentina estatiza empresa brasileira
Governo Cristina Kirchner assume 8 mil km de ferrovias da ALL. Empresa atua no país vizinho desde 1999 e diz que recorrerá à Justiça. (Págs. 1 e 22)
Venezuela amplia racionamento
O estado de Zulia vai limitar o consumo de produtos e alega que é para evitar o contrabando para a Colômbia. (Págs. 1 e 29)
Internet à cubana
O governo abriu 118 salas, mas o preço da hora, de até US$ 6, é criticado: o salário mínimo é US$ 17. (Págs. 1 e 29)
Guerra na Síria: ONU vê indício de bomba química (Págs. 1 e 27)

Sotaque português: Portugal Telecom no comando da Oi (Págs. 1 e 21)

------------------------------------------------------------------------------------
O Estado de S. Paulo

Manchete: Outro índio é baleado; Dilma manda Força Nacional a MS
Pedido foi feito pelo governador do Estado; tropas ficarão na região dos conflitos por tempo indeterminado

O terena Josiel Gabriel Alves, de 34 anos, foi baleado ontem em uma das fazendas reivindicadas pelos índios em Sidrolândia (MS), informa o enviado especial Pablo Pereira. Ele foi atingido por homens em um carro e está internado na capital, Campo Grande. Tropas da Força Nacional serão enviadas para a região dos conflitos, onde um índio morreu na quinta-feira. O pedido foi feito pelo governador de Mato Grosso do Sul, André Puccinelli (PMDB), e os cerca de 110 homens ficarão no local por tempo indeterminado. O ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, disse ontem em audiência com 140 índios que o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, foi censurado pela presidente Dilma Rousseff por autorizar ação da PF para cumprir ordem de reintegração de posse em Sidrolândia. “Nós sabemos o erro que foi essa desgraça dessa morte”, afirmou. (Págs. 1 e Política A4 e A5)

À espera de ajuda do STF
O governo quer veredicto do STF sobre demarcação de área indígena na reserva Raposa Serra do Sol, em Roraima, para evitar novos conflitos entre índios e fazendeiros. (Págs. 1 e A4)

Fotolegenda: Tentativa de trégua
O ministro Gilberto Carvalho se reuniu no Planalto com índios da etnia mundurucu para tratar da obra de Belo Monte.
Planalto promete liberar R$ 1,5 bi após rebelião da base
Após “rebelião” comandada pelo PMDB, o Planalto promete liberar, na segunda quinzena do mês, R$ 1,5 bilhão em emendas individuais para parlamentares. Essa será a primeira parcela de 2013 e o montante é 50% maior do que o prometido durante votação da MP dos Portos. Outra liberação de recursos deve ocorrer em meados de julho, quando o Congresso vota a Lei de Diretrizes Orçamentárias. A divisão dos recursos não foi definida. Cada congressista tem direito a R$ 15 milhões em emendas individuais. (Págs. 1 e Política A6)
Cristina cassa concessão de empresa brasileira
O governo argentino anunciou a rescisão, sem indenização, dos contratos de concessão de duas linhas ferroviárias administradas pela empresa brasileira América Latina Logística (ALL). São cerca de 8 mil km de linhas, que ficarão sob a administração da empresa estatal Belgrano Cargas. Segundo o governo, o cancelamento dos acordos se deve ao não cumprimento dos contratos, entre outros motivos. (Págs. 1 e Economia B1)
Fazenda muda IOF para atrair capital do exterior
O governo zerou a alíquota do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) que incide sobre aplicações dos investidores estrangeiros em renda fixa, sobretudo em títulos do Tesouro Nacional. A alíquota do IOF para esses investimentos era de 6% e estava em vigor havia quase quatro anos. A medida deve ajudar a aumentar a entrada de recursos no País e reduzir a desvalorização do real ante o dólar. (Págs. 1 e Economia B3)
Produção da indústria tem alta de 1,8% em abril
A produção industrial brasileira cresceu 1,8% em abril ante março e superou as projeções de analistas ouvidos pelo Broadcast. No acumulado de 12 meses, a produção ainda registra queda, mas nos quatro primeiros meses de 2013 a alta é de 1,6%. (Págs. 1 e B4)
Governo pede desculpas, mas protestos continuam na Turquia
Governo turco pediu desculpas pelos confrontos da última semana e diminuiu a repressão aos manifestantes, relata o enviado especial Andrei Netto. Mesmo assim, protestos continuaram ontem. (Págs. 1 e Internacional A8)
Cresce desmate da Mata Atlântica
Levantamento do Inpe e da SOS Mata Atlântica mostra que o desmatamento da Mata Atlântica cresceu em 2012, após 3 anos em queda. A maior perda foi em MG. (Págs. 1 e Metrópole A16)
Saúde veta ‘cartilha’ sobre prostituição
O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, mandou tirar a peça “Eu sou feliz sendo prostituta” da internet. Ele também exonerou o diretor do Departamento de DST. (Págs. 1 e Metrópole A15)
Celso Ming 
Isolamento

Os concorrentes não param de fechar acordos comerciais, mas o Brasil está parado, esperando a Argentina sair da situação encalacrada em que está. (Págs. 1 e Economia B2)
Notas & Informações
Promessas eleitorais

Desde que a possibilidade de derrota surgiu, Dilma Rousseff passou a focalizar os obstáculos. (Págs. 1 e A3)
------------------------------------------------------------------------------------
Correio Braziliense

Manchete: A cada 16 horas, uma casa é roubada no DF
Família fica refém de bandidos na QI 29 do Lago Sul. É o sexto caso ocorrido no bairro nobre nos quatro primeiros meses do ano. Em toda a cidade, 174 residências já foram invadidas. (Págs. 1 e 24)

Feijão: Preço sobe 30% e Ministério da Agricultura aumenta importações com medo da inflação. (Págs. 1 e 8)

Dólar: Brasil retira o IOF sobre o capital estrangeiro para tentar conter a alta da moeda dos EUA. (Págs. 1 e 9)

Argentina: Governo de Cristina Kirchner estatiza empresa brasileira que operava ferrovias. (Págs. 1 e 10)

Vem mais briga aí
Peemedebistas dizem que a votação dos vetos à MP dos Portos pode abrir nova crise na base aliada. Segundo eles, na reunião com o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, e o do Senado, Renan Calheiros, Dilma não atendeu todas as demandas do partido. (Págs. 1 e 3)
Prontos para a guerra ou para a paz
Na mesma tarde em que representantes de seis etnias (foto) se reuniam com o governo federal, um índio foi baleado em Sidrolândia (MS), onde, na semana passada, um terena foi morto. Ministro Gilberto Carvalho condena violência, mas vai continuar com Belo Monte. “Não tivemos nenhuma resposta", avaliou um líder Munduruku. Cento e dez homens da Força Nacional seguiram ontem para o local dos conflitos. (Págs. 1 e 7)
“Prostituta feliz” causa demissão
Campanha publicitária lançada nas redes sociais provocou polêmica e o diretor do Departamento de DST/Aids, Dirceu Greco, foi exonerado. O Ministério da Saúde alega que a peça não foi autorizada. (Págs. 1 e 4)
Festança no ltapoã custou R$ 1 milhão
Aylton Gomes é o autor da emenda que bancou o cachê de Amado Batista, contam Ana Maria Campos e Helena Mader. (Págs. 1 e Eixo Capital, 21)
------------------------------------------------------------------------------------
Valor Econômico

Manchete: Indecisões sobre áreas indígenas atrasam usinas
Um índio foi internado ontem, após ser baleado em Sidrolândia (MS), na mesma região em que outro indígena foi morto na semana passada. Essa crise aguda que se espalha pelo país entre índios e ruralistas não é o único reflexo da incapacidade do governo em definir critérios objetivos para o processo de demarcação de terras indígenas. O imbróglio já compromete seriamente o plano de expansão energética do governo.

A nova fronteira hidrelétrica do país está na Amazônia, berço de 58% da população de 817 mil índios que vivem no Brasil, e as dificuldades de licenciamento ambiental por conta de impasses com indígenas já comprometem o cronograma de pelo menos seis hidrelétricas. Juntas, essas usinas têm previsão de adicionar 11,4 mil megawatts (MW) ao parque gerador. Isso equivale a 10% da capacidade instalada atual e a mais da metade dos 19,6 mil MW que o governo pretende acrescer à matriz energética até 2021. (Págs. 1 e A3)
Escolha esperada
A escolha de Zeinal Bava para presidir a Oi foi bem recebida - as ações subiram 16% -, mas não surpreendeu o mercado, que já esperava a indicação havia cinco meses. (Págs. 1 e B1 e B2)
Sonegação de impostos é de R$ 349 bi
A sonegação de impostos, taxas e contribuições chega a 23,9% da arrecadação federal, estadual e municipal, segundo cálculos feitos por economistas a pedido do Sindicato Nacional dos Procuradores da Fazenda Nacional. Isso representa 8,4% do Produto Interno Bruto (PIB) ou R$ 349,8 bilhões que deixaram de ser recolhidos aos cofres públicos em 2011 - o ano mais recente com dados consolidados da Secretaria da Receita Federal.

Para compor a taxa média de sonegação, os economistas responsáveis pelo estudo usaram estimativas individuais para determinados tributos. A sonegação de Imposto de Renda chegou a 30,3%, enquanto para o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) foi maior, de 33,4%. (Págs. 1 e A4)
Cai IOF para ingresso de capital
A forte desvalorização do real frente ao dólar nas duas últimas semanas, de 4,32%, levou o governo a revogar uma das medidas de controle ao ingresso de capitais no país. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou ontem à noite a redução, de 6% para zero, do IOF incidente sobre o ingresso de moeda estrangeira para aplicações em renda fixa.

“O normal é que não haja obstáculo à entrada de capital”, disse o ministro, ao constatar que houve “uma redução da liquidez internacional” decorrente da expectativa de que o Federal Reserve (Fed) venha a desmontar os mecanismos extraordinários de expansão monetária adotados após a crise de 2008/09. (Págs. 1 e C16)
Los Grobo vai voltar a investir no Brasil
Depois de ter vendido a Ceagro para a Mitsubishi, na semana passada, a Los Grobo, associação do grupo argentino de Gustavo Grobocopatel com a brasileira Vinci Partners, pode voltar a investir no Brasil. "A venda no Brasil não aconteceu para capitalizar investimentos na Argentina", disse Grobocopatel ao Valor. "Decidi fazê-la porque a oferta era excelente. Mas no futuro o Brasil deve voltar a ser o centro dos negócios da companhia".

Ele não confirma nem desmente a informação da agência de notícias japonesa Nikkei de que a venda foi fechada pelo equivalente a US$ 500 milhões. De acordo com Grobocopatel, o grupo vai faturar neste ano US$ 760 milhões, valor que já exclui a Ceagro. Serão US$ 500 milhões das operações na Argentina e US$ 250 milhões do negócio de soja e trigo no Uruguai. Do Brasil, sobrarão apenas US$ 10 milhões, de um pequeno moinho de trigo que a Los Grobo decidiu manter em Jundiaí, no interior de São Paulo. (Págs. 1 e B14)
Concessão da ALL é cassada na Argentina 
O governo argentino da presidente Cristina Kirchner rescindiu os contratos de concessão de linhas ferroviárias administradas pela brasileira ALL Logística desde 1999. De acordo com o ministro do Interior e Transportes, Florencio Randazzo, os 8 mil quilômetros da empresa serão geridos pela estatal Belgrano Cargas. Segundo Randazzo, não será paga indenização à ALL. Ele afirmou que a empresa tinha multas acumuladas que excediam em 30% o máximo de garantias contratuais e que não pagava os direitos de uso das concessões há mais de seis meses.

A ALL informou que não foi comunicada oficialmente da decisão e, em nota, afirmou que, considerando “o atual cenário político e econômico da Argentina”, vinha buscando potenciais investidores interessados em adquirir sua participação nas concessões no país. Em 2012, os resultados na Argentina corresponderam a 6,5% de sua receita líquida. (Págs. 1 e B9)
Valdac se reestrutura e busca sócio
Dono das varejistas de moda Siberian, Crawford e Memove, o grupo Valdac Global Brands (VGB) reestrutura suas operações e estuda a venda de participação minoritária para sustentar os planos de expansão. (Págs. 1 e B3)
Tecnologia florestal
A Eldorado Brasil Celulose — controlada pela J&F Investimentos, dona da JBS — vai investir em um centro de tecnologia em Três Lagoas (MS). A meta é buscar um ganho de 25% na produção de madeira. (Págs. 1 e B8)
Rexam diversifica portfólio
Com a economia em ritmo lento e o consumo desacelerando, a Rexam, multinacional fabricante de latas de alumínio que detém 60% do mercado brasileiro, amplia suas linhas de latas especiais e busca novos mercados para crescer no país. (Págs. 1 e B8)
Mercado secundário de debêntures
A entrada do investidor pessoa física nas ofertas de debêntures, principalmente nas de infraestrutura, com isenção fiscal, movimentou os negócios no mercado secundário. De janeiro a maio, o número de operações mais que dobrou. (Págs. 1 e Cl)
Solidariedade no erro médico
Súmula editada pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro estabelece que as operadoras de planos de saúde respondem solidariamente pelos danos causados por seus profissionais credenciados. (Págs. 1 e E1)
Pensão alimentícia no IR
A pedido da Fazenda Nacional, o Superior Tribunal de Justiça vai decidir, em incidente de uniformização de jurisprudência, sobre a possibilidade de dedução de pensão alimentícia extrajudicial na base de cálculo do Imposto de Renda. (Págs. 1 e E1)
Liminar abre Prouni a devedores
A Associação Nacional dos Centros Universitários (Anaceu) obteve liminar em mandado de segurança coletivo que permite a seus associados se inscreverem no Prouni mesmo que tenham dívidas tributárias com a União. (Págs. 1 e E2)
Caderno especial/Meio Ambiente
Alinhar demandas socioambientais e financeiras começa a ser parte da estratégia das empresas de grande porte. “Hoje, o plano de sustentabilidade ganha a mesma importância do balanço financeiro em nossa estratégia de negócios", diz o presidente da Unilever do Brasil, Fernando Fernandez. (Pág. 1)
Ideias
Cristiano Romero

O BC retomou duas das três políticas que ajudaram o país a estabilizar sua economia. A terceira não depende dele. (Págs. 1 e A2)

Marcelo Carvalho

Um déficit em conta corrente crescente, não mais coberto pelo IED, não traz boas perspectivas para a taxa de câmbio. (Págs. 1 e A13)
Japão anuncia novas medidas para revitalizar sua economia (Págs. 1 e A11)

Cresce a resistência à proposta de união bancária na Europa (Págs. 1 e B11)

Infraestrutura parada na fila de espera das negociações políticas (Págs. 1 e Valor Setorial)

------------------------------------------------------------------------------------

Nenhum comentário: