PENSAR "GRANDE":

***************************************************
[NÃO TEMOS A PRESUNÇÃO DE FAZER DESTE BLOGUE O TEU ''BLOGUE DE CABECEIRA'' MAS, O DE APENAS TE SUGERIR UM ''PENSAR GRANDE''].
***************************************************


“Pode-se enganar a todos por algum tempo; Pode-se enganar alguns por todo o tempo; Mas não se pode enganar a todos todo o tempo...” (Abraham Lincoln).=>> A MÁSCARA CAIU DIA 18/06/2012 COM A ALIANÇA POLÍTICA ENTRE O PT E O PP.

----

''Os Economistas e os artistas não morrem..." (NHMedeiros).

"O Economista não pode saber tudo. Mas também não pode excluir nada" (J.K.Galbraith, 1987).

"Ranking'' dos políticos brasileiros: www.politicos.org.br

=========
# 38 RÉUS DO MENSALÃO. Veja nomes nos ''links'' abaixo:
1Radio 1455824919 nhm...

valor ...ria...nine

folha gmail df1lkrha

***

sexta-feira, junho 07, 2013

QUEM LÊ TANTA NOTÍCIA?

SINOPSES - RESUMO DOS JORNAIS

07 de junho de 2013

O Globo

Manchete: Credibilidade em xeque: Agência de risco põe Brasil em viés de baixa
Crescimento pífio, piora nas contas e inflação fazem S&P mudar perspectiva do país

Em ata do Copom, diretoria do Banco Central admite que pode fazer novas altas de juros porque a inflação, mais forte e persistente, continua alimentada por mecanismos formais e informais de correção de preços

A agência de classificação de risco Standard & Poor's (S&P) anunciou ontem à noite o rebaixamento da perspectiva da dívida do Brasil de estável para negativa, devido à piora das contas públicas, ao crescimento fraco e à inflação. É a primeira vez que isso acontece desde 2002, quando a expectativa da vitória de Lula provocou turbulência no mercado. O país continua com o grau
de investimento, mas sua nota pode ser cortada nos próximos dois anos se o quadro se mantiver. Pela manhã, a diretoria do Banco Central divulgou a ata da reunião em que subiu os juros para 8% ao ano. O BC vê riscos trazidos pela inflação e condena mecanismos de correção automática de preços e contratos. O Tesouro autorizou R$ 15 bilhões para o BNDES. (Págs. 1, 23, 24 e Míriam Leitão)
‘Fica, Mantega!’
Em tom irônico, a revista britânica "Economist” fez balanço da economia brasileira e sugeriu que Dilma mantenha Mantega no cargo: "Ele é um sucesso.” (Págs. 1 e 23)
Feministas criticam ‘bolsa estupro’
Feministas classificaram de retrocesso a aprovação, numa comissão da Câmara, ao projeto que prevê ajuda financeira à vítima de estupro que optar por não abortar, mesmo sendo permitido por lei nesse caso. A proposta é defendida por grupos religiosos. Em nota, o Conselho Nacional de Direitos da Mulher diz que o texto viola direitos femininos. (Págs. 1 e 9)
Enquanto isso... Anglicanos aceitam casamento gay
Numa mudança de rumo, a Igreja Anglicana desistiu de combater o casamento gay no Reino Unido, dada a maioria no Parlamento. (Págs. 1 e 33)
Premier volta e desafia Praça Taksim
Após uma semana de protestos, o premier turco, Recep Tayyip Erdogan, recebeu a primeira mostra de apoio popular. Milhares foram recebê-lo no aeroporto em Istambul e o ouviram reiterar que não cederá aos manifestantes — que voltaram a lotar a Praça Taksim. (Págs. 1 e 33)
Protesto contra passagens de ônibus em quatro capitais
As ruas de São Paulo, Rio, Natal e Goiânia foram palco de protestos contra o reajuste nas tarifas de ônibus. O ato mais violento aconteceu em São Paulo, onde manifestantes atearam fogo a paus e cones e fizeram barricadas na Avenida 23 de Maio, no horário do rush. Na Avenida Paulista, uma cabine da PM foi incendiada, e a tropa de choque revidou com bombas de efeito moral e balas de borracha. No Rio, quatro pessoas foram detidas na Avenida Presidente Vargas, perto da Central do Brasil. As manifestações foram organizadas pelo Movimento Passe Livre. (Págs. 1 e 4)
Tensão fundiária: Ruralistas vão parar rodovias
Em resposta às ações de índios em Mato Grosso do Sul, a bancada ruralista decidiu organizar um protesto na próxima sexta-feira que prevê até a paralisação de rodovias federais. Um dos objetivos é suspender demarcações de terras indígenas. (Págs. 1, 3 e 4)
Auxílio-alimentação: R$ 3,6 milhões para ministros
Mesmo com contestações judiciais, tribunais superiores pagaram R$ 3,6 milhões retroativos para refeições dos ministros. (Págs. 1 e 6)
Tal qual Bush: Governo Obama vigia telefones e internet
Crítico de Bush, Obama manteve o monitoramento de registros telefônicos e eletrônicos com o intuito de caçar terroristas. (Págs. 1 e 31)
Tragédia em Oruro: Sete corintianos soltos após 100 dias
A Justiça boliviana soltou sete dos 12 corintianos acusados da morte do menino Kevin Espada, atingido por sinalizador num jogo em Oruro. (Págs. 1 e Caderno esportes)
------------------------------------------------------------------------------------
O Estado de S. Paulo

Manchete: Agência revê nota de risco do País por piora das contas públicas
Standard & Poor’s revisou a perspectiva da economia brasileira para 'negativa'

A agência de classificação de risco Standard & Poor’s colocou ontem a nota do Brasil em perspectiva negativa, com a possibilidade de rebaixamento. Segundo a agência, os motivos seriam o baixo ritmo de crescimento do PIB e os gastos do governo. A nota funciona como selo de qualidade para o investidor estrangeiro aplicar seus recursos no País. O movimento da S&P acontece poucos dias depois de o governo mudar a tributação sobre o capital externo para trazer mais recursos. O Planalto classificou o anúncio como “natural”, mas o mercado reagiu com pessimismo. Mais cedo, o Banco Central sinalizou que pode manter o ciclo de alta de juros. Analistas apostam que a Selic vai subir mais 0,5 ponto porcentual, para 8,5%, na próxima reunião do Copom, em julho. Também ontem, o governo anunciou injeção de R$ 15 bilhões no BNDES. (Págs. 1 e Economia B1, B3 e B4)
MP diz que Afif pode ser cassado por dupla função
O procurador-geral de SP, Márcio Elias Rosa, apontou “inadmissibilidade” de acúmulo de cargos de Guilherme Afif Domingos, vice-governador e ministro. Rosa mandou ofício para a Assembleia para “promoção de medidas necessárias à perda do mandato do vice”. Dupla função tem parecer favorável da Advocacia-Geral da União. (Págs. 1 e Política A4)
Questão política 
Principal aliado de Afif, o ex-prefeito Gilberto Kassab disse que a questão é mais política do que jurídica. (Págs. 1 e A4)
Em manobra, Congresso decreta criação de 4 TRFs
O Congresso ignorou as críticas do presidente do STF, Joaquim Barbosa, e promulgou a criação de mais quatro tribunais regionais federais (TRFs) no País. O primeiro-vice-presidente da Câmara, André Vargas (PT-PR), comandou a sessão que determinou a instalação dos tribunais em até 6 meses. A estimativa de gasto varia de R$ 700 milhões a R$ 8 bilhões. (Págs. 1 e Política A6)

Joaquim Barbosa
Presidente do STF
“Who cares?" (Quem se importa?), recusando-se a comentar a medida.
EUA admitem monitoramento de telefones após atentado
O governo americano admitiu quebra do sigilo telefônico de milhões de clientes da Verizon, uma das maiores empresas do setor nos EUA. O monitoramento foi autorizado pela Justiça após o atentado de Boston e valeria até 19 de julho. O acesso teria se limitado ao número dos telefones e à duração das chamadas. Congressistas questionaram a legalidade da medida. (Págs. 1 e Internacional A8)
Protesto contra alta de tarifa para o centro de SP
Liderado pelo Movimento Passe Livre (MPL), um protesto de cerca de mil pessoas contra o aumento da passagem de ônibus e metrô de R$ 3 para R$ 3,20 parou o trânsito de algumas das principais vias de SP no horário de pico, na noite de ontem. Manifestantes fecharam as Avenidas Paulista, 23 de Maio, 9 de Julho e São Luís. O bloqueio foi feito com pedras, objetos feitos com papelão, sacos de lixo e materiais plásticos em chamas. Viaturas da São Paulo Transportes (SPTrans) foram destruídas. A polícia reagiu com bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha. (Págs. 1 e Metrópole A12 e A13)
Esportes: Sete corintianos deixam prisão 
Sete dos 12 corintianos detidos em Oruro em 20 de fevereiro, acusados pela morte de Kevin Espada, deixaram ontem a prisão por falta de provas. Outros três torcedores devem ser soltos nos próximos dias. (Págs. 1 e A21)
Índios falam em trégua
Índios são barrados pela segurança do Planalto; após reunião, eles prometem trégua. (Págs. 1 e Política A7)
Kasparov diz que deixa Rússia e vai para exílio (Págs. 1 e Internacional A10)

Comissão aprova lei das domésticas (Págs. 1 e Economia B6)

Fernando Gabeira 
A bolsa ou a vida

O episódio do Bolsa Família mostrou que é uma vertigem imaginar um eleitorado completamente livre, que não vota por gratidão. (Págs. 1 e Espaço Aberto A2)

Dora Kramer 
De queijos e facas

Na relação com o Congresso, o Executivo manda nos dois primeiros anos. Nos dois últimos, pede por obséquio. Dilma não foge à regra. (Págs. 1 e Política A6)

Notas & Informações
O bom recado do BC

Ata do Copom mostra preocupação do BC com a busca da estabilidade de preços. (Págs. 1 e A3)
------------------------------------------------------------------------------------
Correio Braziliense

Manchete: Nós somos a capital...
...da música

Diva do movimento gay, Daniela Mercury apresenta amanhã o show Canibália—Ritmos do Brasil. No repertório, três canções do novo disco, ainda sem data de lançamento. (Págs. 1 e Divirta-se, capa , 10)


...da Copa

A oito dias de Brasil x Japão, 20 mil ingressos ainda não foram retirados. No Mané Garrincha, Fifa alertou: quem deixar para a véspera pode perder a partida. (Págs. 1 e Superesportes, 4 e 5)

...da fé

No DF, nove em cada 10 moradores seguem alguma crença, reflexo da diversidade religiosa. O monge Ademar Kyotoshi mantém o templo budista sempre aberto. (Págs. 1, 22 e 23)

...do rock

Há 25 anos, a última apresentação da Legião Urbana na cidade foi marcada por tumultos e insultos de Renato Russo a uma plateia revoltada. (Págs. 1, Diversão e arte, Capa)
Avanço contra o câncer de mama
Segundo cientistas, a doença começa em células do dueto mamário. A descoberta abre caminho para novos tratamentos. (Págs. 1 e 17)
Telefones sem sigilo nos EUA
Obama terá que explicar por que o governo obrigou uma empresa a entregar dados das ligações dos clientes. (Págs. 1 e 14)
Chance de acordo nas terras indígenas
Após cinco horas de reunião com líderes terenas, grupo formado por vários ministros tentará encontrar condições jurídicas para indenizar ruralistas. No espelho d´água do Ministério da Justiça, índios mundurucus brincaram com carpas. (Págs. 1, 8 e Visão do Correio, 12)
Governo admite mudar as regras da poupança
O provável aumento da Selic para 8,50% ao ano, indicado pelo Banco Central, deve alterar o rendimento das cadernetas. A equipe econômica já discute retomar o antigo processo de remuneração. (Págs. 1 e 9)
Novo FGTS para as domésticas
Projeto aprovado em comissão cria taxa extra de 3,2%, a ser paga pelos patrões, para indenizar as demissões. (Págs. 1 e 11)
Consulta ao IR começa dia 10
O primeiro lote de restituição do Imposto será pago em 17 de julho. O total de devoluções passará de R$ 2,6 bilhões (Págs. 1 e 10)
UnB mostra os bons resultados dos cotistas (Págs. 1 e 29)

Protesto: Guerra na Paulista
Uma manifestação contra o reajuste das tarifas de ônibus acabou em quebra-quebra numa das principais avenidas de São Paulo. Mais de 30 pessoas ficaram feridas no confronto com a polícia. (Págs. 1 e 8)
------------------------------------------------------------------------------------
Valor Econômico

Manchete: Bônus do leilão do pré-sal ajuda a formar superávit
O governo já incluiu na previsão de receita deste ano o valor do bônus de assinatura da primeira rodada de licitações do pré-sal, em outubro. A área ofertada pela Agência Nacional de Petróleo (ANP) é a de Libra, o maior reservatório de petróleo já oferecido para partilha de produção no mundo, na Bacia de Santos. Quando encaminhou a proposta orçamentária de 2013 ao Congresso, em agosto, o governo previa que a receita com as concessões ficaria em R$ 3,3 bilhões. No decreto de contingenciamento, editado em maio, a estimativa foi elevada para R$ 15,6 bilhões, um aumento de 372%.

O governo não revela, no entanto, com qual valor trabalha para o bônus de assinatura de Libra, pois considera que essa informação pode influenciar o mercado durante a licitação. Uma fonte oficial disse que o valor ficará entre R$ 15 bilhões e R$ 20 bilhões, acima da própria previsão feita pelo governo no decreto de contingenciamento. Em relatório, o Itaú BBA estimou o bônus entre R$ 10 bilhões e R$ 20 bilhões. (Págs. 1 e A16)
Os planos do BB para o Votorantim
Quando fechar a negociação para assumir a maioria do capital do Banco Votorantim, o que deve ocorrer proximamente, o Banco do Brasil terá investido na instituição financeira controlada pela família Ermírio de Moraes cerca de R$ 7,2 bilhões. O objetivo do BB é transformar o Votorantim em seu braço para atividades nas quais não foi tão bem-sucedido sozinho até hoje. Uma delas é o crédito para não correntistas. Outra área é a de banco de investimento. Limitado pelas regras para bancos estatais, como a necessidade de concursos para contratação, o BB tem dificuldade para concorrer com bancos de investimento privados. (Págs. 1 e C1)
MP capitaliza estatais para proteger BNDES
O governo publicou ontem uma medida provisória que permite capitalizar o BNDES e a Valec (estatal do setor ferroviário) com títulos públicos e reduz o volume de gastos que o Tesouro Nacional terá de fazer com a equalização de juros do BNDES. Em ambos os casos, o efeito prático é evitar impacto sobre o superávit primário do governo federal e reduzir a necessidade de esforço fiscal.

O BNDES será capitalizado em R$ 15 bilhões. A emissão de títulos aumenta a dívida bruta do governo federal, mas não é captada nas estatísticas do resultado primário. Esse mesmo raciocínio se aplica à Valec, que também terá R$ 15 bilhões em um fundo de liquidez para viabilizar o plano de concessões de ferrovias. "Sem a capitalização, o BNDES se desenquadraria de Basileia 3", explicou Dyogo de Oliveira, do Ministério da Fazenda. (Págs. 1 e A2)
Tarifa baixou menos que o previsto
As reduções nas tarifas de energia elétrica para a indústria brasileira não atingiram o nível médio de 20% prometido pela presidente Dilma Rousseff. No primeiro trimestre, segundo indicadores divulgados ontem pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), o custo da eletricidade para o setor diminuiu 11,7% na comparação com o último trimestre de 2012 e apenas 5% frente a igual período do ano passado.

O desconto nas contas de luz passou a valer no dia 24 de janeiro, fazendo com que nem todo seu efeito pudesse ter sido captado pelo indicador do primeiro trimestre. Apesar disso, dificilmente alcançará o nível previsto pelo governo. Revisões tarifárias posteriores à redução voltaram a elevar tarifas. (Págs. 1 e A3)
Supermercado da Região Sul é mais eficiente 
As redes de supermercados e hipermercados dos três Estados do Sul do país têm alcançado alguns dos melhores indicadores de eficiência e produtividade do varejo alimentar no Brasil - negócio de vendas altas, mas margens estreitas. As redes Zaffari, Irmãos Muffato, Condor e Angeloni são hoje quatro das dez maiores varejistas de supermercados e registraram alta de 9% a 17% no faturamento por metro quadrado em 2012. São resultados duas a três vezes melhores que os verificados nos líderes Pão de Açúcar e Walmart.

Curiosamente, essas redes seguem um modelo que contraria as tendências. Elas sobreviveram às pressões para a venda do negócio nos anos 1990, vão na contramão do discurso de que loja boa é loja pequena e abrem poucas - mas grandes - unidades por ano. O investimento chega a R$ 50 milhões por loja. (Págs. 1 e B1)
Gafisa vende Alphaville para Pátria e Blackstone
A Gafisa fechou o acordo de venda da Alphaville Urbanismo para o bloco formado por Pátria e Blackstone, segundo apurou o Valor. A incorporadora vendeu 70% da maior empresa de urbanismo do país por R$ 1,4 bilhão - ou seja, o valor atribuído a 100% de Alphaville ficou em R$ 2 bilhões. Os recursos da venda vão contribuir para a redução do endividamento da Gafisa.

Ontem, as ações da Gafisa subiram na última meia hora do pregão, como consequência dos rumores de que a negociação havia sido concluída. (Págs. 1 e B10)
Positivo negocia área educacional
Gestoras de “private equity" — Carlyle, Gávea, KKR, GP Investimentos, TPG, Apax e Providence — negociam a compra da área de educação do Grupo Positivo, que pede entre R$ 2 bilhões e R$ 2,5 bilhões. (Págs. 1 e B3)
Recorde automobilístico
A atividade da indústria automobilística brasileira atingiu no mês passado o ponto mais alto de sua história, com 348,1 mil veículos produzidos, entre carros, utilitários, caminhões e ônibus. (Págs. 1 e B9)
Novo comando na ALL
Em meio à expropriação de ativos na Argentina, a América Latina Logística confirmou a saída de Eduardo Pelleissone, principal executivo da companhia. Ele será substituído por Alexandre Santoro, até então à frente da Vetria Mineração. (Págs. 1 e B9)
Basf amplia a produção
A Basf vai investir cerca de R$ 140 milhões para aumentar a produção de defensivos agrícolas no Brasil até 2014. Os recursos serão destinados à construção de duas plantas no complexo industrial da companhia em Guaratinguetá (SP). (Págs. 1 e B14)
Hospitais/Caderno especial
Aumento da concorrência é a maior preocupação da sociedade levam hospitais a procurar certificações de qualidade. “Incorporação de avanços é uma característica histórica”, diz Luiz Antonio Santini, do Inca, que se prepara para renovar seu certificado da americana Joint Commission International. (Pág. 1)
Volta das letras financeiras
Bancos de médio porte e ligados a montadoras voltaram a testar o mercado para captações de recursos por meio de ofertas públicas de letras financeiras — títulos de emissão bancária com características semelhantes às debêntures. (Págs. 1 e C1)
Bancos sólidos
Testes de estresse conduzidos pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) no ano passado mostraram que o sistema bancário brasileiro apresenta forte resistência a recessão e fuga de capitais, graças a “reservas de capital substanciais”. (Págs. 1 e C11)
Justiça devolve bônus de cartões
Consumidores obtêm, na Justiça, a restituição de pontos acumulados em cartões de crédito suspensos por falta de pagamento ou cancelados a pedido do próprio cliente. (Págs. 1 e El)
Separação gay vai para vara de família
Após o CNJ obrigar os cartórios a celebrarem casamentos entre pessoas do mesmo sexo e converter uniões estáveis em casamentos, o STJ decidiu que separações de casais homossexuais devem ser julgadas nas varas de família e não nas cíveis. (Págs. 1 e El)
Ideias
Claudia Safatle

Alta dos juros e depreciação do câmbio agregam importantes fatores de risco à recuperação e trazem dúvidas sobre 2014. (Págs. 1 e A2)

Maria Cristina Fernandes

O debate não é mais o que fazer para o Brasil crescer, mas o preço que cada um terá de pagar por isso. (Págs. 1 e A6)
Standard & Poor's revisa para 'negativa' a perspectiva da nota soberana do Brasil (Págs. 1 e A2)

Europa fica para trás na corrida pela tecnologia 4G (Págs. 1 e B11)

Boas práticas atraem investimentos (Págs. 1 e Valor Especial/Governança Corporativa)

------------------------------------------------------------------------------------
---------------------

Nenhum comentário: