PENSAR "GRANDE":

***************************************************
[NÃO TEMOS A PRESUNÇÃO DE FAZER DESTE BLOGUE O TEU ''BLOGUE DE CABECEIRA'' MAS, O DE APENAS TE SUGERIR UM ''PENSAR GRANDE''].
***************************************************


“Pode-se enganar a todos por algum tempo; Pode-se enganar alguns por todo o tempo; Mas não se pode enganar a todos todo o tempo...” (Abraham Lincoln).=>> A MÁSCARA CAIU DIA 18/06/2012 COM A ALIANÇA POLÍTICA ENTRE O PT E O PP.

----

''Os Economistas e os artistas não morrem..." (NHMedeiros).

"O Economista não pode saber tudo. Mas também não pode excluir nada" (J.K.Galbraith, 1987).

"Ranking'' dos políticos brasileiros: www.politicos.org.br

=========
# 38 RÉUS DO MENSALÃO. Veja nomes nos ''links'' abaixo:
1Radio 1455824919 nhm...

valor ...ria...nine

folha gmail df1lkrha

***

terça-feira, agosto 13, 2013

ALSTOM DÁ O TOM

13/08/2013
Trem-bala é adiado por falta de interesse de empresas

O Trem de Alta Velocidade (TAV), maior projeto de infraestrutura do governo da presidente Dilma Rousseff, foi adiado novamente, e por tempo indeterminado. Sem atrair o interesse de investidores internacionais, o leilão que iria definir a tecnologia e a operadora do trem-bala corria risco de não ter disputa. Apenas um consórcio, liderado pela francesa Alstom, havia se comprometido a participar da licitação. Dilma tomou a decisão no domingo. “Depois de muitas conversas e entendimentos com os prováveis participantes, sentimos que o certame caminhava para apenas um participante”, admitiu o ministro dos Transportes, César Borges. O leilão do trem que vai ligar as cidades de Campinas, São Paulo e Rio estava marcado para 19 de setembro. A entrega de propostas iria ocorrer na próxima sexta-feira. Venceria quem oferecesse o maior valor de outorga à União

Leilão do TAV só tinha um pretendente

Consórcio liderado pela francesa Alstom era o único comprometido; prazo foi adiado a pedido da Siemens e de um consórcio espanhol

Anne Warth
Eduardo Rodrigues / Brasília


Maior projeto de infraestrutura do governo da presidente. Dilma Rousseff, o Trem de Alta Velocidade (TAV) foi adiado novamente. Desta vez, por tempo indeterminado, Sem atrair o interesse de investidores internacionais, o leilão que iria definir a tecnologia e a operadora do trem-bala corria risco de não ter disputa. 


Apenas um consórcio, liderado pela francesa Alstom, havia se comprometido a participar da licitação. Dilma tomou a decisão no domingo.


"Depois de muitas conversas e entendimentos com os prováveis participantes, sentimos que o certame caminhava para apenas um participante", admitiu o ministro dos Transportes, César Borges.

O consórcio espanhol, liderado pelas empresas Renfe e Talgo, pediu pelo menos 6o dias para apresentar uma proposta. A alemã Siemens solicitou mais um ano. Para não privilegiar nenhuma delas, o governo alongou o prazo, mesmo sob risco de desistência dos franceses.

O leilão do trem que vai ligar as cidades de Campinas, São Paulo e Rio estava marcado para 19 de setembro. A entrega de propostas iria ocorrer nesta semana, no dia 16. Venceria quem oferecesse o maior valor de outorga à União.

Borges evitou se comprometer com nova data. Disse apenas que a licitação deve ocorrer daqui a "pelo menos um ano". "Não vamos determinar prazo. Não vamos fixar novas datas."

Eleições. 
Embora, não envolva o desembolso de recursos públicos, dificilmente o leilão poderia ocorrer às vésperas das eleições presidenciais, reconheceu o presidente da Empresa de Planejamento e Logística (EPL), Bernardo Figueiredo, "Isso e algo que também terá de ser avaliado", afirmou.

O ministro disse que os consórcios interessados atualmente garantiram que vão disputar o projeto daqui a um ano. Admitiu, no entanto, que não há nada que os obrigue. Figueiredo reconheceu que existe o risco de que os franceses desistam. "Mas essa desistência não é esperada."

Com mais um ano de prazo, a esperança do governo é que consórcios liderados por empresas da Coreia do Sul e do Japão também voltem a se interessar pelo projeto, Até lá, é possível haver novas mudanças no edital de licitação. "Com o adiamento, pode haver mudanças no edital, mas não há solicitações nesse sentido", afirmou Borges.

Previsão. O governo, no entanto, manteve a previsão de colocar o TAV em operação até 2020. O prazo para a licitação da construção do trem-bala continua marcado para o início de 2015. A União pretende dividir o traçado em diversos lotes.

O ministro disse que o postergaçâo do leilão não tem relação com as denúncias de cartel em licitações dos metrôs de São Paulo e Distrito Federal. As suspeitas envolvem empresas diretamente relacionadas na disputa pelo TAV, como a Siemens e a Alstom.

Segundo Figueiredo, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), que investiga o caso, não colocou nenhum impedimento para a realização do processo.

Polêmica. 
O adiamento do TAV foi uma decisão difícil para o governo. O projeto bilionário sempre foi cercado de polêmica, ainda mais depois das manifestações, que cobravam mais recursos para o transporte público nas capitais. Levar à frente uma obra desse porte em um momento em que a população cobra a construção de linhas de metrô para resolver gargalos urbanos poderia ser um tiro político no pé. Apesar disso, Bernardo Figueiredo sempre defendeu a viabilidade econômica do trem de alta velocidade.

Com o projeto, o governo não precisaria construir dois novos aeroportos - um no Rio, outro em São Paulo - além de uma nova rodovia, paralela à Via Dutra, para absorver o crescimento da demanda de passageiros entre as duas metrópoles projetado para as próximas décadas.

adicionada no sistema em: 13/08/2013 04:50

Nenhum comentário: