PENSAR "GRANDE":

***************************************************
[NÃO TEMOS A PRESUNÇÃO DE FAZER DESTE BLOGUE O TEU ''BLOGUE DE CABECEIRA'' MAS, O DE APENAS TE SUGERIR UM ''PENSAR GRANDE''].
***************************************************


“Pode-se enganar a todos por algum tempo; Pode-se enganar alguns por todo o tempo; Mas não se pode enganar a todos todo o tempo...” (Abraham Lincoln).=>> A MÁSCARA CAIU DIA 18/06/2012 COM A ALIANÇA POLÍTICA ENTRE O PT E O PP.

----

''Os Economistas e os artistas não morrem..." (NHMedeiros).

"O Economista não pode saber tudo. Mas também não pode excluir nada" (J.K.Galbraith, 1987).

"Ranking'' dos políticos brasileiros: www.politicos.org.br

=========
# 38 RÉUS DO MENSALÃO. Veja nomes nos ''links'' abaixo:
1Radio 1455824919 nhm...

valor ...ria...nine

folha gmail df1lkrha

***

quinta-feira, agosto 01, 2013

QUEM LÊ TANTA NOTÍCIA?

SINOPSES - RESUMO DOS JORNAIS

01 de agosto de 2013
O Globo

Manchete: Dinheiro pelo ralo: Sete em cada 10 cidades fazem mau uso de verba da Educação
Fiscalização descobre licitações simuladas, contratos irregulares e superfaturamento

De acordo com relatório da Controladoria Geral da União, em 73,7% dos 180 municípios inspecionados em 2011 e 2012 houve problemas nos gastos do Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb).

É grande a relação de irregularidades apontadas pela CGU na gestão dos recursos da Educação, por parte das prefeituras: direcionamento e simulação de processos licitatórios; gastos incompatíveis com o objetivo do Fundeb; elaboração de contratos irregulares; movimentação de dinheiro fora de conta específica; descumprimento da regra de destinar 60% dos recursos do Fundo à remuneração dos professores. Em nota, o MEC afirmou que qualquer irregularidade no uso de recursos do Fundeb deve ser apurada e punida com rigor. (Págs. 1 e 3)
Residência médica obrigatória no SUS
Sob pressão, o governo recuou na ideia de estender de 6 para 8 anos o curso de Medicina. Agora, os dois anos adicionais valerão como residência, que será obrigatória e terá de ser feita na rede do SUS. (Págs. 1 e 4)
Protesto: Câmara é ocupada
Manifestantes mascarados e até índios ocupam o prédio da Câmara dos Vereadores, na Cinelândia. Antes, cerca de 700 pessoas seguiram em passeata pacífica até a sede do Ministério Público e da Assembleia Legislativa, cobrando investigação sobre abusos da PM e gastos com a Copa do Mundo e com as Olimpíadas. No final da noite, a PM usou spray de pimenta para expulsar os invasores. (Págs. 1 e 18)

Cedae cobra por um serviço que não presta
Apenas 39,2% da população de 33 municípios em que a Cedae presta serviço de esgoto são atendidos com rede coletora. Apesar disso, mesmo quem não tem o serviço recebe regularmente a conta em bairros de Rio, São Gonçalo e Maricá. Na Tijuca, moradores de uma rua convivem há 20 anos com o vazamento de esgoto. Ontem, a polícia informou que o rompimento da adutora que matou uma criança em Campo Grande foi causado pelo trânsito de caminhões sobre a tubulação. (Págs. 1 e 12 a 14)
Autocrítica: PT: governo deve corrigir rumo
Documento oficial da direção nacional do PT afirma que aliados de Dilma são conservadores e diz que Brasil continua "injusto e desigual”. Ataque direto ao PMDB, porém, foi suavizado. (Págs. 1 e 10)
Debate inédito: Uruguai: maconha divide deputados
Um debate histórico, para a aprovação da venda e do cultivo da maconha, polarizou deputados uruguaios. O governo quer permitir ao consumidor comprar até 40 gramas por mês e cultivar seis plantas. (Págs. 1 e 32)
Saída definitiva recorde desde 94
Estatísticas do regime mostram que somente no ano passado 46.662 cubanos deixaram definitivamente o país, na maior taxa de emigração desde a crise dos balseiros, em 1994. (Págs. 1 e 33)
------------------------------------------------------------------------------------
O Estado de S. Paulo

Manchete: Dilma decide tirar transporte urbano do cálculo de dívidas 
Gastos de Estados e municípios em projetos não serão contabilizados pela Lei de Responsabilidade Fiscal

A presidente Dilma Rousseff decidiu retirar os projetos de mobilidade urbana do cálculo de endividamento de Estados e municípios, informam os repórteres Débora Bergamasco e Mauro Zanatta. A medida a ser tomada pelo governo visa a desafogar as contas, ajudar na recuperação do crescimento econômico e aplacar o clamor das ruas por melhoria nos serviços de transportes públicos. Se o projeto entrasse em vigor imediatamente, prefeitos e governadores teriam R$ 35,3 bilhões para gastar em projetos urbanos sem comprometer as contas com a Lei de Responsabilidade Fiscal. (Págs. 1 e Política A4)
Haddad terá R$ 8,1 bi para projetos em SP 
Ao lado do prefeito Fernando Haddad (PT), ontem, em SP, Dilma anunciou pacote de obras para a cidade no valor de R$ 8,1 bilhões. Os recursos serão aplicados na construção de 99 km de corredores de ônibus, um terminal rodoviário, 18,3 mil casas populares, cinco piscinões e oito parques lineares. (Págs. 1 e Metrópole A18)
BC intervém para evitar dólar acima de R$ 2,30
O Banco Central fez ontem três intervenções no mercado de câmbio para evitar que o dólar fechasse o dia acima de R$ 2,30. A moeda americana, que chegou a R$ 2,302, desacelerou após os leilões e fechou o dia em R$ 2,278, queda de 0,13%. Em julho, a alta acumulada foi de 2,11%. O dólar comercial lidera o ranking de investimentos do ano, com valorização de 11,39%. A Bolsa subiu 1,64% em julho, no primeiro mês de alta. (Págs. 1 e Economia B1 e B4)
Médicos protestam
Médicos paralisam um dos sentidos da Avenida Paulista. Profissionais e estudantes de Medicina decidiram manter protestos contra o Mais Médicos e o Ato Médico - que regula a categoria - em ao menos 12 Estados, apesar de o governo federal ter recuado em vários pontos do programa. (Págs. 1 e Metrópole A22)
Governo desiste de dois anos a mais em curso de Medicina
Menos de um mês após publicar medida provisória que criou o Programa Mais Médicos, o governo recuou ontem de um dos principais pontos e desistiu de ampliar de seis para oito anos a duração dos cursos de Medicina. Agora, quer tornar obrigatória a residência médica a partir de 2018, conforme adiantou a coluna Direto da Fonte. O Conselho Federal de Medicina voltou a criticar a decisão. (Págs. 1 e Metrópole A14)
Cai portaria sobre troca de sexo 
O governo suspendeu ontem a portaria reduzindo de 18 para 16 anos a idade para o início do tratamento de mudança de sexo, menos de 24 horas após a publicação do texto. (Págs. 1 e A15)
Amarildo pode estar morto, admite PM
A PM do Rio instaurou inquérito para apurar o desaparecimento de Amarildo Dias de Souza após o pedreiro ter sido levado à UPP da Rocinha, no dia 14, para “averiguação”. (Págs. 1 e Metrópole A22)
CGU vê fraude na verba da Educação
Segundo a Controladoria-Geral da União, 73% das prefeituras fiscalizadas em 2011 e 2012 fraudaram licitações para compra de materiais na rede pública de ensino. (Págs. 1 e Política A6)
Mensalão: STF retoma julgamento no dia 14 (Págs. 1 e Política A6)

Vigia pega 18 anos de prisão no caso Mércia (Págs. 1 e Metrópole A20)

EUA liberam novas informações sobre espionagem
A Casa Branca liberou ontem para o Congresso informações sobre o programa de interceptação telefônica que atingiu milhões de americanos. Ao mesmo tempo, o jornal britânico The Guardian revelou como é o sistema de coleta de dados na internet em vários países, incluindo o Brasil. (Págs. 1 e Internacional A10)
Demetrio Magnoli 
Da arte de iludir

Proposta do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral sobre reforma política envolve o projeto petista em celofane ilusório, sem mudar o cerne. (Págs. 1 e Espaço Aberto A2)
Notas & Informações
Entre o mar e a pedra

Dilma cortou R$ 10 bilhões, mas tem de liberar recursos para comprar votos no Congresso. (Págs. 1 e A3)
------------------------------------------------------------------------------------
Correio Braziliense

Manchete: Governo faz cirurgia para salvar a MP dos Médicos
Planalto desiste de ampliar o curso de medicina de seis para oito anos, mas quer tornar obrigatória a residência no SUS após o aluno concluir a graduação

Elaborada por uma comissão de especialistas do MEC e da Associação Brasileira de Educação Médica, a proposta deve seguir agora para votação no Congresso Nacional. Se for aprovada, o estudante que começou a cursar medicina em 2012 ou neste ano terá de fazer especialização no Sistema Único de Saúde (SUS) ao concluir o sexto ano de formação. A mudança não foi bem recebida por profissionais e entidades de classe do setor, que ontem voltaram a protestar em todo o país contra a MP que cria o Programa Mais Médicos. "A obrigatoriedade que está sendo imposta é trabalho forçado e uma política eleitoreira", disse o presidente da Federação Nacional dos Médicos, Geraldo Ferreira. (Págs. 1 e 2)

Acusações esquentam a eleição do CRM- DF (Págs. 1 e 21)

HFA: greve causa 10km de engarrafamento (Págs. 1 e 25)
Tráfico: Investigada a venda de bebê pela internet
Crianças eram oferecidas para adoção em rede social por valores que variavam de R$ 6 mil a R$ 10 mil. Várias pessoas demonstraram interesse na negociação. O Ministério Público (MP) determinou a abertura de inquérito pela Polícia Civil, no Recife, e pediu que a página fosse retirada da web. Outro caso semelhante está sendo apurado em Santa Catarina. (Págs. 1 e 7)
Denúncia contra Gim chega ao STF
A Procuradoria Geral da República pediu ao Supremo para investigar o senador Gim Argello (PTB-DF). Ele é suspeito de fraudar a Lei de Licitações quando era presidente da Câmara Legislativa, em 2002. (Págs. 1 e 22)
Mensalão volta a ser julgado pelo STF no dia 14 (Págs. 1 e 3)

Greve de aeroportuários prejudica poucos voos (Págs. 1 e 9)

As várias faces de um sonho
Eduardo Moscovis é o protagonista de O outro lado do paraíso. Com produção em Brasília e locações em Olhos D’água, o filme mostra como a ditadura sufocou a utopia da nova capital. (Págs. 1 e Diversão & Arte, capa)
------------------------------------------------------------------------------------
Valor Econômico

Manchete: Alíquotas de importação caem a partir de outubro
O governo decidiu não renovar a proteção concedida à indústria nacional por meio de aumento do Imposto de Importação. Os cem produtos que tiveram aumento de alíquotas em setembro do ano passado voltarão a ser tributados pelos percentuais que vigoravam antes da elevação.

A nova regra será anunciada hoje e valerá a partir de outubro, quando vence o prazo original da lista de exceção negociada entre os países do Mercosul. A maior parte dos produtos tem hoje alíquota de 25%. (Pág. 1 )

Aplicações superam a inflação
Em julho, pela primeira vez no ano, todos os investimentos, de renda fixa ou variável, tiveram ganhos reais - descontada a inflação prevista em 0,05% no mês. Os destaques foram a bolsa, com a primeira alta do ano, e o ouro. Quase todas as aplicações de renda variável superaram o CDI, referência para o investidor brasileiro, que encerrou julho com taxa de 0,71%. Já na renda fixa, o melhor rendimento do período foi obtido pelos próprios fundos de renda fixa, que tiveram alta de 0,82%.

Apesar da melhora, analistas destacam que o ganho de julho pode ter sido mera correção. Ontem, o mercado teve grandes oscilações, influenciado por informações positivas sobre a economia americana e depois por atitude do Fed. No Brasil, o BC vendeu US$ 2,2 bilhões em swaps para conter o dólar, que fechou a R$ 2,28. (Págs. 1 e D1, C1, C2 e A11)

Energia pode custar R$ 9 bi ao Tesouro
A decisão do governo de não mais antecipar os recebíveis de Itaipu para pagar as despesas com mudanças no setor elétrico terá neste ano forte impacto nas contas públicas, estimado pelo mercado em cerca de R$ 9 bilhões. O Tesouro pagou R$ 517 milhões em julho e deve pagar R$ 1,2 bilhão em agosto.

Até julho, o Tesouro já havia destinado R$ 2,2 bilhões para o setor elétrico. A quantia que ainda será paga vai impactar o resultado primário do governo. Apesar disso, a área econômica está convencida de que será possível atingir a meta de superávit ampliada para o governo central de R$ 73 bilhões, anunciada na semana passada. (Págs. 1 e A2)
Margens apertadas põem em risco programa de concessões
O fracasso da licitação de uma linha do Metrô em São Paulo deveria ser entendido por Brasília como um alerta sobre o interesse do setor privado em participar do programa federal de concessões de infraestrutura. Dirigentes de empresas dizem que não estão dispostos a entrar em projetos com rentabilidade apertada e modelagem duvidosa. Para eles, o interesse é maior por aeroportos e algumas das rodovias a serem licitadas. A menos de 15 dias da data prevista para a entrega de propostas para o trem de alta velocidade, as grandes companhias brasileiras ainda estão distantes da formação de consórcios para o projeto. (Págs. 1 e B10)
Duplicação de estrada a cargo da Votorantim
A Votorantim vai investir R$ 181 milhões na duplicação da chamada Rodovia dos Minérios (PR-092), no Paraná. A empresa será responsável pelos estudos de viabilidade, projeto executivo e as obras da estrada. Em troca, terá isenção do pagamento do ICMS, no mesmo montante investido. A duplicação vai ajudar a escoar a produção da maior planta de cimento da Votorantim, em Rio Branco. O governo do Estado informa que não dispõe, a curto prazo, de recursos para a duplicação da rodovia, como estava previsto quando a Votorantim anunciou a ampliação de sua fábrica. (Págs. 1 e B7)
Maior empresa de lácteos do mundo chega ao Brasil
O grupo francês Lactalis, maior empresa de lácteos do mundo, vai começar a produzir no Brasil. A companhia - que fatura € 15,7 bilhões por ano - anunciou ontem a aquisição do laticínio brasileiro Balkis, que produz queijos gourmet, por cerca de R$ 70 milhões. Esta é a primeira aquisição da Lactalis no país, mas fontes familiarizadas com o negócio afirmam que outras virão. A expectativa é que a Lactalis passe a produzir no Brasil itens com as marcas que fabrica na Europa, como Président, Lactel e Bridel. A marca Balkis deve ser mantida. (Págs. 1 e B14)
Uruguai controlará venda de maconha
A Câmara dos Deputados do Uruguai aprovou ontem projeto que legaliza a maconha no país e entrega ao Estado o controle da atividade. O texto seguiu ao Senado, onde o governo tem maioria folgada. (Págs. 1 e A11)

Preço do boi é o maior em 20 meses
O preço médio do boi gordo alcançou em julho o maior patamar em 20 meses na BM&FBovespa, em meio à acentuada escassez de animais para abate na atual entressafra. Foi o sexto mês consecutivo de alta. (Págs. 1 e B13)
Edital para aquicultura
O Ministério da Pesca lança amanhã o edital de licitação para a cessão onerosa de 14 áreas de cultivo em águas marítimas e no interior de São Paulo, em lagos e reservatórios. São 50 mil hectares, com direito de uso por 20 anos, prorrogáveis por igual período. (Págs. 1 e B14)
Geadas custam caro ao trigo do PR
O percentual da lavoura de trigo do Paraná classificada como ruim subiu de 4% para 18% na última semana devido às geadas que atingiram o Estado. As lavouras consideradas em boas condições caíram de 78% para 47%. (Págs. 1 e B14)
Retração no 'private equity'
O Brasil atraiu menos de um terço dos recursos destinados a fundos de “private equity” que investem na compra de participações em empresas na América Latina durante o primeiro semestre. (Págs. 1 e C7)
Crise custou até US$ 14 tri aos EUA
A crise financeira que assolou os EUA entre 2007 e 2009 teve um custo estimado de US$ 6 trilhões a US$ 14 trilhões, equivalente entre 40% e 90% do Produto Interno Bruto (PIB), segundo cálculos de economistas do Fed de Dallas. (Págs. 1 e C13)
Fibra corrige o rumo
Após uma mal-sucedida incursão no crédito ao consumo, o banco Fibra, da família Steinbruch, se reestrutura para voltar às origens, com suas atividades concentradas novamente nos empréstimos para empresas. “É o momento de pagar os custos daquilo que decidimos desmontar”, diz Lima Neto. (Págs. 1 e C14) |
OGX atrai fundos 'abutres'
O baixo preço dos bônus da OGX no mercado secundário tem atraído fundos emergentes, principalmente os especializados em créditos “podres”, que adquirem os papéis na expectativa de lucrar com um possível processo de recuperação judicial. (Págs. 1 e C14)
Legalidade no reajuste do IPTU
O Supremo Tribunal Federal retoma hoje os julgamentos com quórum completo, após quase um ano desfalcado, e deve decidir, em repercussão geral, se as prefeituras podem elevar o IPTU sem a edição de lei, apenas por decreto. (Págs. 1 e El)

Ideias
Laura Tyson

Como a TI nos anos 90, as grandes bases de dados e a energia de xisto poderão ser os novos agentes do crescimento. (Págs. 1 e A13)

Alexandre Hohagen

Equipes estimuladas a liderar projetos que não estão no escopo inicial de suas funções têm maior chance de sucesso. (Págs. 1 e D3)
Produtores de fertilizantes querem taxar importados (Págs. 1 e B14)

------------------------------------------------------------------------------------
------------------------

Nenhum comentário: