PENSAR "GRANDE":

***************************************************
[NÃO TEMOS A PRESUNÇÃO DE FAZER DESTE BLOGUE O TEU ''BLOGUE DE CABECEIRA'' MAS, O DE APENAS TE SUGERIR UM ''PENSAR GRANDE''].
***************************************************


“Pode-se enganar a todos por algum tempo; Pode-se enganar alguns por todo o tempo; Mas não se pode enganar a todos todo o tempo...” (Abraham Lincoln).=>> A MÁSCARA CAIU DIA 18/06/2012 COM A ALIANÇA POLÍTICA ENTRE O PT E O PP.

----

''Os Economistas e os artistas não morrem..." (NHMedeiros).

"O Economista não pode saber tudo. Mas também não pode excluir nada" (J.K.Galbraith, 1987).

"Ranking'' dos políticos brasileiros: www.politicos.org.br

=========
# 38 RÉUS DO MENSALÃO. Veja nomes nos ''links'' abaixo:
1Radio 1455824919 nhm...

valor ...ria...nine

folha gmail df1lkrha

***

segunda-feira, setembro 16, 2013

QUEM LÊ TANTA NOTÍCIA?

SINOPSES - RESUMO DOS JORNAIS

16 de setembro de 2013
O Globo

Manchete: Estradas do Rio - Governo vai pôr R$ 2 bi para segurar pedágios
Melhorias serão feitas em rodovias privatizadas há 18 anos

Para fazer as obras, concessionárias de Ponte Rio-Niterói, NovaDutra e Rio-Juiz de Fora teriam que reajustar suas tarifas em mais de 50%


O governo federal prepara-se para assumir um gasto de R$ 2,2 bilhões em obras em estradas do Estado do Rio, que foram privatizadas há 18 anos, na primeira etapa das concessões. Os investimentos em melhorias nas rodovias Rio-Juiz de Fora, na NovaDutra e na Ponte Rio-Niterói deverão ser feitos nos próximos três anos, evitando um aumento no valor dos pedágios. Se as concessionárias assumissem as obras, a tarifa poderia subir mais de 50%. As melhorias são consideradas fundamentais para reduzir o número de acidentes nas três vias. (Págs. 1 e 17)
Túneis do Rio sem um monitoramento 24 horas
Uma visita aos túneis da cidade do Rio revela a ausência de um sistema de transmissão de imagens, durante 24 horas, integradas ao Centro de Operações da prefeitura: dos 19 túneis, apenas dois são monitorados em tempo real. Além disso, há precariedade na iluminação de suas galerias e uma abundância de infiltrações. (Págs. 1 e 6)
Obama: acordo sobre Síria traz lições para Irã (Págs. 1 e 23)

Jatos particulares e helicópteros elevam acidentes (Págs. 1 e 3)

Novo mercado: Nuvens brasileiras
Medida do governo de exigir guarda de dados em servidores instalados no Brasil pode estimular o mercado. (Págs. 1 e 19)
Colunistas: Ancelmo Gois
Petrolíferas chinesas vão participar com força do leilão do campo de Libra. (Págs. 1 e 10)
------------------------------------------------------------------------------------
O Estado de S. Paulo

Manchete: Apuração liga mulher de ministro a verba irregular
TCE de Santa Catarina constatou despesa ‘ilegítima’ em convênio firmado com recurso do Trabalho

O Tribunal de Contas de Santa Catarina pediu ao Tribunal de Contas da União (TCU) para investigar denúncias que ligam a mulher e o chefe de gabinete do ministro do Trabalho, Manoel Dias, a irregularidades em convênios firmados no Estado e abastecidos por dinheiro da própria pasta, informam os repórteres Fábio Fabrini e Andreza Matais. Santa Catarina é a base eleitoral de Dias. Relatórios do órgão apontam suposto dano ao erário e favorecimento de três entidades, uma delas ligada ao PDT, partido do ministro, em parcerias de R$ 2,1 milhões, firmadas nas gestões de Dalva Maria de Luca Dias, como secretária estadual de Assistência Social, e de Rodrigo Minotto, então coordenador do Sistema Nacional do Emprego (SINE) no Estado. A investigação foi solicitada no mesmo dia em que a Polícia Federal prendeu três funcionários do ministério acusados de desviar recursos. Dalva Dias nega irregularidades e diz que “não há no Brasil um gestor público que não tenha processo”. (Págs. 1 e Política A4)

PF detecta lobby sobre Gilberto Carvalho

A Operação Pronto Emprego, da PF, revela que um grupo acusado de desviar R$ 18 milhões de convênio com o Ministério do Trabalho buscou apoio do ministro Gilberto Carvalho para tentar obter novos repasses de verba. O ministro diz que recomendou a ONG a pedido de cardeais. (Págs. 1 e A5)
Último voto do STF pode livrar réus do mensalão
A retomada do julgamento do mensalão no Supremo Tribunal Federal, na quarta-feira, poderá iniciar uma nova etapa do processo que já dura 8 anos. Se o ministro Celso de Mello votar pela admissão do embargo infringente, previsto no regimento interno do tribunal, desempatando o placar de 5 a 5 da última sessão, abrirá a possibilidade da reanálise de crimes de 12 dos 25 condenados. Entre os beneficiados por um novo julgamento estão o petista José Dirceu e o empresário Marcos Valério. (Págs. 1 e A6)
Obama mantém ameaça de ataque ao Irã
O presidente Barack Obama disse ontem que o acordo sobre a Síria não afasta a possibilidade de ataque ao Irã porque a questão nuclear é “muito maior” que o problema do arsenal químico. Ele pediu confiança aos aliados da região. (Págs. 1 e Internacional A8)
ONU tem indícios de mais 5 ataques
Relatório da ONU que será divulgado hoje aponta indícios de mais 5 ataques químicos na Síria. Ontem, a aviação de guerra voltou a bombardear redutos rebeldes. (Págs. 1, A8 e A9)
Saúde da família tem baixa adesão (Págs. 1 e Metrópole A14)

SP construirá prisões com parceria privada (Págs. 1 e Metrópole A17)

Carlos Alberto Di Franco 
Democracia sem censura

Não existe democracia sem pluralismo, debate livre e discussão aberta. Tirem a máscara! A defesa das ideias demanda transparência. (Págs. 1 e Espaço Aberto A2)
José Roberto de Toledo 
Pluralidade desconexa

O debate sobre Mais Médicos nas redes é monólogo coletivo. Os que conseguem furar o bloqueio são veículos da velha mídia, como jornais. (Págs. 1 e Política A6)
Lúcia Guimarães 
Notícias da terrinha

Quando parti daqui, um presidente do tribunal máximo do País não sonharia em ser grosso com a presidente da República na frente do papa. (Págs. 1 e Caderno 2, C10)
Notas & Informações
Continua a lambança fiscal

A política de incentivos fracassou e as desonerações resultaram em pura perda para o Tesouro. (Págs. 1 e A3)
------------------------------------------------------------------------------------
Correio Braziliense

Manchete: Apadrinhados ocupam vaga de concursados
A aprovação em concurso público não é garantia de nomeação para o cargo escolhido. Um dos casos mais escandalosos é o do Procon/DF, que nomeou 117 inscritos no último processo seletivo, mas apenas 76 foram efetivados, enquanto mantém 162 comissionados. A falta de regulamentação nacional dos certames impede que os aprovados tenham seu direito assegurado. (Págs. 1 e 7)
Deputado sob risco da quebra de decoro
Depois de o Correio/Estado de Minas revelar que Ademir Camilo (PSD-MG) está seriamente envolvido no desvio de R$ 400 milhões do Ministério do Trabalho, parlamentares de oposição vão pedir explicações à PF sobre a denúncia. (Págs. 1 e 2)
Desvio de toner no Senado
Sindicância sigilosa investiga um esquema que pode ter começado há cinco anos com a participação de servidores. Suspeita surgiu após um PM flagrar a venda de tinta de impressora da Casa numa faculdade particular. (Págs. 1 e 3)
Ação contra o preconceito ao militar gay (Págs. 1 e 6)

Tóquio em 2020 supera preparação da Rio 2016
Com parque olímpico adiantado e transporte público impecável, a infraestrutura já instalada no Japão está bem à frente dos trabalhos no Brasil. Slogan oriental é: “Certeza em tempos incertos.” (Págs. 1 e 6)
------------------------------------------------------------------------------------
Valor Econômico

Manchete: Governadores impedem o fim da 'guerra fiscal'
Governadores das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste articulam nova ofensiva contra o fim da chamada "guerra fiscal", aproveitando o ambiente político gerado pelas manifestações de rua e o período pré-eleitoral. "Nós não podemos apoiar uma política que significa suicídio das nossas economias", disse ao Valor o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), referindo-se à proposta de reforma do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) em tramitação no Senado.

Os governadores querem mobilizar suas bancadas para rejeitar, no plenário do Senado, o projeto de resolução que muda as alíquotas interestaduais do ICMS, convalidar os incentivos fiscais já concedidos, acabar com a unanimidade exigida para as decisões do Confaz e editar a edição de súmula vinculante pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que derruba todos os atuais benefícios. (Págs. 1 e A8)
Demora em licenciamento cria demanda
O Consórcio Interligação Elétrica do Madeira (IE Madeira), responsável pela construção de uma das linhas de transmissão que vão escoar a energia das usinas do rio Madeira, prepara pleito milionário para entregar à diretoria da Aneel. O consórcio, formado por Cteep, Furnas e Chesp, pretende cobrar pagamento extra de aproximadamente R$ 275 milhões com o objetivo de reaver o equilíbrio financeiro do contrato. O pedido está em elaboração e deve ser encaminhado em breve à agência. A causa do prejuízo, segundo o IE Madeira, seria o atraso na liberação da licenciamento ambiental. (Págs. 1 e B13)
O português mais rico põe fichas no Brasil
Homem mais rico de Portugal, Américo Amorim planeja investir US$ 3,5 bilhões nos próximos quatro anos no Brasil, com ênfase na área de petróleo, seguido de negócios imobiliários ligados ao turismo e do setor financeiro.

Em entrevista ao Valor, o empresário disse que destinará 65% do pacote de investimentos de US$ 5 bilhões para o Brasil entre 2013 e 2016. O restante irá para Angola e Moçambique. Ele não ostenta - não tem jatinho e só aluga um quando é necessário. Ocupa uma sala de trabalho ampla, mas comum, na sede da holding em Mozelos, cidade perto do Porto. (Págs. 1 e B8)
Caem fretes marítimos da China a Santos
A queda no ritmo das importações da Ásia, que tem sido o motor do crescimento do transporte de contêineres brasileiro, derrubou os valores dos fretes na navegação. Armadores apostam nas festas de fim de ano para recuperar os volumes e a rentabilidade perdida, iniciando uma rodada de aumento nos preços.

Entre o fim de 2011 e agosto, o frete de um contêiner de 40 pés da China para Santos oscilou de US$ 4.500 (o valor mais alto, em novembro de 2012) para US$ 2.300 (ponto mais baixo, em agosto), segundo a consultoria inglesa Drewry. Na mão inversa, na exportação de Santos para a China, também houve queda, de US$ 1.600, em fevereiro de 2012, para US$ 1.250, em agosto. (Págs. 1 e B1)
Brasileiras ainda estão longe do topo
Embora executivas como Graça Foster, Luiza Helena Trajano e Chieko Aoki se destaquem no comando de grandes empresas, elas são exceções no país. Estudo inédito realizado pela Escola de Direito da FGV, em parceria com a FEA-USP, revelou que nos últimos 15 anos a presença feminina nos altos cargos em companhias de capital aberto no Brasil se manteve estagnada, com média de 8%.

O professor Alexandre Di Miceli, da FEA-USP, afirma que as mulheres fizeram avanços significativos no ingresso nas universidades e no mercado de trabalho, mas isso não se reflete no topo da hierarquia. Durante o período analisado, praticamente metade das companhias não teve sequer uma mulher em seus conselhos de administração. Em 66% delas, nenhuma profissional fez parte da diretoria executiva. "Essa sub-representação pode ser um problema tanto em termos de qualidade na tomada de decisão quanto do aproveitamento eficiente de talentos", diz. (Págs. 1 e D3)
Eike culpa executivos e investidores
O empresário Eike Batista, protagonista de um dos maiores colapsos financeiros da história, está acusando pessoas que considera culpadas por sua queda. Em entrevista ao "The Wall Street Journal" - a primeira desde que seu império desabou -, disse que executivos do setor de petróleo que ele costumava chamar de "dream team" (o time dos sonhos) o enganaram. E afirmou ainda que seus investidores saíram do negócio muito rapidamente. Culpa também o azar.

"Eu sou o maior perdedor nisso tudo", disse na sexta-feira em seu escritório no Rio. "Eu acreditei nisso. Vivendo em um país que tem essas descobertas de petróleo gigantescas, por que eu não poderia ter sido abençoado com uma delas?" (Págs. 1 e B16)
Pronatec chega aos dois anos com 4,2 milhões de matrículas, mas evasão é alta (Págs. 1 e A4)

“Risco Dnit” foi decisivo no fracasso do leilão da rodovia BR-262 (Págs. 1 e B12)

Crítica ao modelo de concessões
Modelos de concessões e parcerias público-privadas do governo federal na área de infraestrutura são “inadequados” e inibem a competitividade, diz o economista Edmar Bacha. (Págs. 1 e A5)
Reforma ministerial
O fim do prazo de filiação partidária dos candidatos às eleições de 2014 deve desencadear processo de reforma ministerial. Dilma espera a definição do quadro da sucessão para decidir quem fica. (Págs. 1 e A6)
Projeto muda licitações
Projeto de lei do líder do PT na Câmara pretende reformar a Lei 8.666 e estender o Regime Diferenciado de Contratações (RDC) — criado originalmente para as obras da Copa — a todas licitações. (Págs. 1 e A8)
Inovação & Parcerias
Empresas, entidades e órgãos oficiais ligados à inovação apostam no Laboratório Binacional Brasil-EUA para ampliar o acesso de pesquisadores aos centros de P&D dos dois países, além da criação de joint ventures, diz Debora Wince-Smith, presidente do Conselho de Competitividade (Council). (Págs. 1 e Especial)
MSD reorganiza operação no país
Com um novo presidente no Brasil desde o início do ano, a MSD Saúde Animal — braço veterinário da farmacêutica americana Merck — colocou à venda as áreas onde ficavam duas de suas três fábricas no país, em Cotia (SP) e Fortaleza. (Págs. 1 e B15)
Geadas afetam usinas de cana
As geadas de julho e agosto farão os Estados do Mato Grosso do Sul e Paraná perderem 2,2% da moagem de cana esperada para todo o Centro-Sul. No entanto, em algumas usinas a produção de açúcar e etanol pode cair até 15%. (Págs. 1 e B18)
Arbitragem fora da área trabalhista
Tribunal Regional do Trabalho de Minas Gerais confirma decisão de 1ª instância e rejeita arbitragem na solução de litígio trabalhista, sob alegação de que a Lei de Arbitragem só pode ser aplicada em contencioso relativo a direito patrimonial disponível. (Págs. 1 e E1)
Ideias
Saulo Krichanã

Para quê arriscar aplicar no longo prazo se o desarranjo fiscal ajuda a calibrar a taxa real de juros de novo para cima? (Págs. 1 e A12)

Luiz Carlos Mendonça de Barros

Reunião do Fed na quarta-feira marcará o começo do fim da grande crise econômica e financeira iniciada em fins de 2007. (Págs. 1 e A13)
------------------------------------------------------------------------------------

Nenhum comentário: