PENSAR "GRANDE":

***************************************************
[NÃO TEMOS A PRESUNÇÃO DE FAZER DESTE BLOGUE O TEU ''BLOGUE DE CABECEIRA'' MAS, O DE APENAS TE SUGERIR UM ''PENSAR GRANDE''].
***************************************************


“Pode-se enganar a todos por algum tempo; Pode-se enganar alguns por todo o tempo; Mas não se pode enganar a todos todo o tempo...” (Abraham Lincoln).=>> A MÁSCARA CAIU DIA 18/06/2012 COM A ALIANÇA POLÍTICA ENTRE O PT E O PP.

----

''Os Economistas e os artistas não morrem..." (NHMedeiros).

"O Economista não pode saber tudo. Mas também não pode excluir nada" (J.K.Galbraith, 1987).

"Ranking'' dos políticos brasileiros: www.politicos.org.br

=========
# 38 RÉUS DO MENSALÃO. Veja nomes nos ''links'' abaixo:
1Radio 1455824919 nhm...

valor ...ria...nine

folha gmail df1lkrha

***

sexta-feira, janeiro 24, 2014

ARGENTINA: DOLARIZAÇÃO A VISTA


Argentinos  poderão comprar dólares a partir de 2ª feira

Governo afrouxa cerco após dois dias de forte desvalorização do peso
BUENOS AIRES - O governo da Argentina decidiu afrouxar o cerco ao mercado de câmbio, após uma forte desvalorização do peso nos últimos dois dias. O Chefe de Gabinete de Ministros, Jorge Capitanich, anunciou, na manhã desta sexta-feira, que a partir da próxima segunda-feira, as restrições para a compra de divisas para guardar serão eliminadas e a alíquota de 35% para os saques de divisas com cartões no exterior será reduzida para 20%.A liberação, contudo, será somente para pessoas físicas e vai depender da renda declarada à Administração Federação de Rendas Públicas (AFIP), equivalente à Receita Federal brasileira. "Decidimos autorizar a compra de dólar para poupar para pessoas físicas de acordo com o fluxo de rendas declaradas", esclareceu o ministro de Economia, Axel Kicillof.

Segundo ele, esta decisão "está no marco da política cambial de flutuação administrada e o governo considera que o preço da divisa alcançou um nível de convergência aceitável para os objetivos da política econômica". Além de amenizar as restrições para a compra de divisas destinadas à poupança, a alíquota de 35% para saques de divisas com cartões no exterior será reduzida para 20%.
Ontem, o peso argentino sofreu uma desvalorização de 8,5% em relação à moeda norte-americana. O câmbio oficial, operado pelos bancos e onde a autoridade monetária intervém, fechou com uma cotação de 7,75 pesos por dólar. Nas casas de câmbio autorizadas pelo governo, a moeda subiu 12,42%, ficando em 7,96 (compra) e 8,010 (venda). No mercado paralelo, aumentou 7,49%, a 13,010 (compra) e 13,06 (venda).
Para o ex-presidente do Banco Central Aldo Pignanelli, o anúncio desta manhã, feito por um ministro e não pelo Banco Central, é um mostra do tamanho da improvisação do governo. "Neste tipo de assunto, primeiro tem que ter um comunicado da autoridade monetária contendo instruções para bancos e casas de câmbio", criticou.
Pignanelli ponderou que a atual demanda por divisas é muito forte e as reservas muito débeis - ontem fecharam em US$ 29,263 bilhões. "Do jeito que está, com cerco ao mercado e elevada demanda, liberar a compra de divisas é impossível porque escoariam todas as reservas", advertiu.
Neste cenário, ele acredita que o comunicado do BC com a norma deverá ter restrições para a aquisição e a liberação será moderada. Por isso, o ministro Jorge Capitanich esclareceu que a pessoa que quiser comprar dólares no câmbio oficial deverá comprovar renda. Esse mecanismo já havia sido adotado no início do controle cambial, nos primeiros meses de 2012, quando aumentou a desconfiança da população sobre o rumo do governo de Cristina Kirchner, que havia sido reeleita com 54% dos votos, em outubro de 2011. Uma semana antes das eleições, o estoque de reservas era de US$ 47,8 bilhões e, apenas cinco meses antes, de US$ 52 bilhões.
Os controles de câmbio começaram com limites para as empresas, que ficaram proibidas de realizar remessas ao exterior e distribuir dividendos. Em janeiro de 2012, quando os controles do câmbio começaram a atingir pessoas físicas, o BC tinha reservas de US$ 46,7 bilhões.

Nenhum comentário: