PENSAR "GRANDE":

***************************************************
[NÃO TEMOS A PRESUNÇÃO DE FAZER DESTE BLOGUE O TEU ''BLOGUE DE CABECEIRA'' MAS, O DE APENAS TE SUGERIR UM ''PENSAR GRANDE''].
***************************************************


“Pode-se enganar a todos por algum tempo; Pode-se enganar alguns por todo o tempo; Mas não se pode enganar a todos todo o tempo...” (Abraham Lincoln).=>> A MÁSCARA CAIU DIA 18/06/2012 COM A ALIANÇA POLÍTICA ENTRE O PT E O PP.

----

''Os Economistas e os artistas não morrem..." (NHMedeiros).

"O Economista não pode saber tudo. Mas também não pode excluir nada" (J.K.Galbraith, 1987).

"Ranking'' dos políticos brasileiros: www.politicos.org.br

=========
# 38 RÉUS DO MENSALÃO. Veja nomes nos ''links'' abaixo:
1Radio 1455824919 nhm...

valor ...ria...nine

folha gmail df1lkrha

***

sexta-feira, janeiro 24, 2014

DAVOS: DISCURSO DE CAMPANHA


Atualizado: 24/01/2014 12:05 | Por estadao.com.br

Em Davos, Dilma reforça que Brasil precisa de investimento privado

Presidente participou pela primeira vez do Fórum Econômico Mundial e citou programas brasileiros de concessões de rodovias, aeroportos e ferrovias
DAVOS - Em sua primeira participação no Fórum Econômico Mundial, em Davos, Suíça, a presidente Dilma Rousseff destacou que o Brasil vive um cenário de estabilidade econômica e inflação sob controle. "A inflação está dentro do regime de metas e buscamos convergência ao centro com determinação", afirmou.

A presidente reforçou que o Brasil está aberto ao investimento privado dentro do projeto de crescimento e melhoria da infraestrutura. "O Brasil mais que precisa e mais que quer uma parceria com o investimento privado", disse.
A presidente citou o recente programa de concessões privadas de rodovias, assim como os leilões de aeroportos em 2013. Dilma também lembrou que neste ano será realizado o primeiro leilão de ferrovia no País.
"Temos respeito aos contratos e compromisso com o ambiente para atrair investimentos", afirmou. "Sempre recebemos bem o investimento externo e adotamos medida para melhorar mais". O discurso durou cerca de 30 minutos.
Inflação. Dilma lembrou que o descontrole de preços no passado mostrou aos brasileiros o poder destrutivo da inflação para empresas e para a população.
"A estabilidade da moeda é um valor central do nosso País. Não transigimos com a inflação", afirmou. Segundo a presidente, o Brasil, que ainda sofre com algumas condições de desigualdade social, está sendo construído sem abdicar dos fundamentos macroeconômicos. "O controle da inflação e o equilíbrio das contas públicas são essenciais para assegurar a estabilidade", disse.
Crise e emergentes. Dilma começou seu discurso no Fórum Econômico Mundial falando sobre a recuperação da crise financeira global de 2008. Segundo ela, a confiança é indispensável para que o mundo se recupere completamente.
"A saída definitiva da crise requer enfoque que não privilegia apenas o curto prazo. É imprescindível resgatar horizonte de médio e longo prazos em nossas avaliações", afirmou a presidente.
Dilma disse ainda que mesmo que as economias desenvolvidas mostrem sua importância para a recuperação global, "os emergentes continuarão a desempenhar um papel estratégico". Segundo ela, são os emergentes os países com maior capacidade de investimento e consumo. Para a presidente, "é apressada a tese segundo a qual economias emergentes serão menos dinâmicas". "Os emergentes serão dinâmicos porque têm grandes oportunidades", disse.
Contas públicas. Dilma falou sobre o que ela considera o controle das contas públicas no Brasil. Segundo ela, houve uma "melhora qualitativa" das contas públicas nos últimos anos, com a redução da dívida líquida e da dívida bruta. "A meta de superávit do governo será condizente com essa diminuição do endividamento", afirmou a presidente, citando que a dívida bruta federal passou de 60,9% para 58,5% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2013.
"Creio que temos um dos menores endividamentos públicos do mundo", comparou. Ela também disse que a responsabilidade fiscal é um princípio basilar da visão de desenvolvimento econômico e social defendida pelo governo. Ela afirmou que em breve o governo definirá a meta fiscal para o ano de 2014, sem, no entanto, especificar uma data para o anúncio.

Nenhum comentário: