PENSAR "GRANDE":

***************************************************
[NÃO TEMOS A PRESUNÇÃO DE FAZER DESTE BLOGUE O TEU ''BLOGUE DE CABECEIRA'' MAS, O DE APENAS TE SUGERIR UM ''PENSAR GRANDE''].
***************************************************


“Pode-se enganar a todos por algum tempo; Pode-se enganar alguns por todo o tempo; Mas não se pode enganar a todos todo o tempo...” (Abraham Lincoln).=>> A MÁSCARA CAIU DIA 18/06/2012 COM A ALIANÇA POLÍTICA ENTRE O PT E O PP.

----

''Os Economistas e os artistas não morrem..." (NHMedeiros).

"O Economista não pode saber tudo. Mas também não pode excluir nada" (J.K.Galbraith, 1987).

"Ranking'' dos políticos brasileiros: www.politicos.org.br

=========
# 38 RÉUS DO MENSALÃO. Veja nomes nos ''links'' abaixo:
1Radio 1455824919 nhm...

valor ...ria...nine

folha gmail df1lkrha

***

quinta-feira, janeiro 23, 2014

DEDAÇÃO PREMIADA

*

Engenheiro que violou sigilo de caseiro vira secretário de Haddad


O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), alçou ao primeiro escalão de sua equipe um engenheiro que, em 2006, participou da quebra do sigilo bancário do caseiro Francenildo Costa, episódio que derrubou o então ministro da Fazenda do governo Lula, Antonio Palocci.

Ricardo Schumann assumiu interinamente a Secretaria de Serviços da capital –a segunda maior pasta da administração municipal em volume de contratos– no último dia 16, segundo portaria publicada no "Diário Oficial".

Ele chefiará a secretaria nas férias do titular, Simão Pedro, até o fim do mês –desde o ano passado o engenheiro trabalha no gabinete de Simão Pedro na prefeitura.

A Secretaria de Serviços é responsável pelos contratos de lixo e iluminação pública, e pelo projeto de implantação de internet grátis em praças.
Schumann foi uma das principais testemunhas da quebra de sigilo de Francenildo. Em 2006, ele era consultor do então presidente da Caixa Econômica Federal, Jorge Mattoso.

À Polícia Federal, ele confessou ter recebido ordem do ex-chefe para investigar as contas de Francenildo no banco. Ele pediu a uma funcionária de sua confiança que quebrasse o sigilo do caseiro e entregou os extratos de Francenildo para Mattoso.

Na ocasião, a quebra do sigilo do caseiro foi atribuída a um pedido pessoal de Antonio Palocci –o ex-ministro teve acesso ao documento.
Dias antes da violação de sua conta na Caixa, Francenildo disse, em depoimento para a CPI dos Bingos, que Palocci frequentava uma mansão no Lago Sul, área nobre de Brasília, onde lobistas faziam festas e, supostamente, dividiam propina.
Em 2009, o STF (Supremo Tribunal Federal) inocentou Palocci no caso da violação do sigilo de Francenildo por falta de provas. Schumann não chegou a ser indiciado. A corte decidiu manter o processo contra Mattoso.

Procurada, a Prefeitura de São Paulo não comentou o caso.
***

Nenhum comentário: