PENSAR "GRANDE":

***************************************************
[NÃO TEMOS A PRESUNÇÃO DE FAZER DESTE BLOGUE O TEU ''BLOGUE DE CABECEIRA'' MAS, O DE APENAS TE SUGERIR UM ''PENSAR GRANDE''].
***************************************************


“Pode-se enganar a todos por algum tempo; Pode-se enganar alguns por todo o tempo; Mas não se pode enganar a todos todo o tempo...” (Abraham Lincoln).=>> A MÁSCARA CAIU DIA 18/06/2012 COM A ALIANÇA POLÍTICA ENTRE O PT E O PP.

----

''Os Economistas e os artistas não morrem..." (NHMedeiros).

"O Economista não pode saber tudo. Mas também não pode excluir nada" (J.K.Galbraith, 1987).

"Ranking'' dos políticos brasileiros: www.politicos.org.br

=========
# 38 RÉUS DO MENSALÃO. Veja nomes nos ''links'' abaixo:
1Radio 1455824919 nhm...

valor ...ria...nine

folha gmail df1lkrha

***

quarta-feira, fevereiro 12, 2014

MOVIMENTO SEM TRÉGUA


Atualizado: 12/02/2014 17:19 | Por Agência Brasil, Agência Brasil

Manifestantes do MST entram em confronto com PM na Praça dos Três Poderes


Os manifestantes do Movimento dos Trabalhadores Sem- Terra (MST), que fazem uma manifestação hoje (12) na Praça dos Três Poderes, derrubaram as grades laterais do Congresso e avançaram. A Polícia Militar reagiu e houve confronto. Pelo menos um trabalhador do MST foi agredido e outro foi preso por agredir um PM. O MST reagiu jogando pedaços de paus e pedras e a polícias respondeu com bombas de gás.
Os líderes do MST pediram para que os manifestantes se acalmassem. Neste momento, o conflito já acabou e a organização considerou o movimento encerrado por hoje e estão retornando para o Ginásio Nilson Nelson, onde estão concentrados.

Segundo o 1º tentente da PM, Mikhail Muniz, o protesto reúne 15 mil manifestantes e 12 polícias ficaram feridos no confronto e foram encaminhados para atendimento médico.

O protesto é uma marcha com o objetivo de denunciar a 'paralisia da reforma agrária no Brasil'. Os manifestantes entoavam gritos e exibem cartazes. As mensagens mais chamativas são 'Dilma, cadê a reforma agrária?', 'Exigimos uma reforma política' e 'Dilma, se liberte do agronegócio'. A presidenta Dilma Rousseff não está no Planalto e cumpre agenda nesta tarde em sua residência oficial, o Palácio do Alvorada.

Cerca de meia hora antes, o ministro Gilberto Carvalho desceu do Palácio Planalto para receber uma carta-manifesto pela reforma agrária que foi entregue por lideranças do MST. Carvalho avaliou como normal e válido a manifestação. Ele disse que não houve nenhum ato violento relevante durante o protesto, apesar dos manifestantes terem derrubado algumas grades de isolamento do Palácio Planalto.

O Supremo Tribunal Federal (STF) interrompeu a sessão de julgamentos desta tarde devido a uma ameaça de invasão por alguns integrantes do MST durante a manifestação na Praça dos Três Poderes. Eles derrubaram as grades que faziam a proteção do prédio. Para evitar a invasão do prédio, seguranças do Supremo e soldados da Policia Militar entraram em conflito. A tentativa de invasão do prédio aconteceu no momento em que os ministros estavam reunidos no plenário da Corte.

O presidente do STF, Joaquim Barbosa, não estava no plenário no momento em que os fatos ocorreram. A sessão era presidida pelo vice-presidente Ricardo Lewandowski, que interrompeu os trabalhados ao ser alertado pela equipe de segurança. 'Fui informado agora pela segurança que o tribunal corre o risco de ser invadido. Vamos fazer um intervalo na sessão', disse. A sessão foi retomada após 50 minutos.

Os manifestantes estão em Brasília para participar do Congresso Nacional do MST, que começou segunda-feira (10) e vai até sexta (14), com a presença de mais de 15 mil trabalhadores de 23 estados e 250 convidados internacionais. Entre os objetivos do encontro estão um balanço da atual situação do movimento, a discussão de novas formas de luta pela terra, pela reforma agrária e por transformações sociais. Também são discutidos o papel político dos assentamentos e a participação da mulher e dos jovens no movimento.


* Colaborou André Richter e Paulo Victor Chagas
Agência Brasil - Todos os direitos reservados.

veja mais

Nenhum comentário: