PENSAR "GRANDE":

***************************************************
[NÃO TEMOS A PRESUNÇÃO DE FAZER DESTE BLOGUE O TEU ''BLOGUE DE CABECEIRA'' MAS, O DE APENAS TE SUGERIR UM ''PENSAR GRANDE''].
***************************************************


“Pode-se enganar a todos por algum tempo; Pode-se enganar alguns por todo o tempo; Mas não se pode enganar a todos todo o tempo...” (Abraham Lincoln).=>> A MÁSCARA CAIU DIA 18/06/2012 COM A ALIANÇA POLÍTICA ENTRE O PT E O PP.

----

''Os Economistas e os artistas não morrem..." (NHMedeiros).

"O Economista não pode saber tudo. Mas também não pode excluir nada" (J.K.Galbraith, 1987).

"Ranking'' dos políticos brasileiros: www.politicos.org.br

=========
# 38 RÉUS DO MENSALÃO. Veja nomes nos ''links'' abaixo:
1Radio 1455824919 nhm...

valor ...ria...nine

folha gmail df1lkrha

***

sexta-feira, maio 02, 2014

BOLSA FAMÍLIA: QUEM É O PANTALEÃO? QUEM É A TERTA?


02/05/2014
Dilma mente sobre reajuste do Bolsa Família, diz Aécio

Reajuste é insuficiente para cobrir perda com inflação, dizem Aécio e Campos em comemoração de 1º de Maio

Ministros e políticos do PT são hostilizados e vaiados até em evento organizado pela CUT, simpática ao governo

DE SÃO PAULO

As comemorações do Dia do Trabalho no maior colégio eleitoral do país foram marcadas ontem pela hostilidade do público com os representantes do governo e por ataques de políticos da oposição à presidente Dilma Rousseff.

Os dois principais adversários da petista na corrida eleitoral deste ano protagonizaram o evento da Força Sindical, a segunda maior central do país, na capital paulista.

Recepcionados pelo deputado Paulinho da Força (SDD-SP), principal liderança política da central, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e o ex-governador Eduardo Campos (PSB-PE) fizeram críticas ao reajuste de 10% no Bolsa Família anunciado por Dilma em cadeia nacional de rádio e televisão na quarta-feira.

Em outro evento, organizado pela CUT (Central Única dos Trabalhadores), que é a maior do país e é alinhada ao PT, latas e garrafas foram arremessadas pelo público quando a presença de ministros foi anunciada no palco.

"A presidente da República, infelizmente, mente aos brasileiros no momento em que diz que o reajuste de 10% no Bolsa Família permite que a remuneração alcance aquele patamar mínimo estabelecido pela ONU [Organização das Nações Unidas], de US$ 1,25 por dia, com uma renda mínima para se estar acima da linha da pobreza", afirmou Aécio no ato da Força.

"O valor teria que chegar a R$ 83 e não a R$ 77", disse.
O reajuste no Bolsa Família ainda será detalhado pelo governo. Procurado, o Planalto não comentou a fala de Aécio até a conclusão desta edição.

No pronunciamento na quarta, Dilma atacou a oposição e anunciou outras medidas de interesse dos trabalhadores, como o reajuste da tabela do Imposto de Renda e a promessa de manter a valorização do salário mínimo.

"A presidente foi ontem à televisão falar que quer dialogar com o trabalhador, mas hoje está fechada no palácio. Não veio olhar para vocês e explicar porque a inflação voltou, o crescimento sumiu e a decência anda em falta no atual governo", disse Aécio.

Em entrevista, Campos disse que a petista "enxuga gelo" ao reajustar o Bolsa Família sem conter a inflação. Ao discursar, afirmou que "o Brasil tomou o caminho errado" e que é preciso "mudar".

Paulinho da Força fez diversos ataques à presidente. Chegou a pedir, por duas vezes, que o público desse uma "banana" para Dilma. "Vamos erguer o braço! Toma aqui, presidente!" Aécio e Campos ficaram visivelmente constrangidos a seu lado.

No momento mais exaltado, Paulinho disse que Dilma poderia ser presa por causa de irregularidades na Petrobras. "Se fizer tudo o que disse na televisão ontem, quem vai acabar na Papuda é ela", afirmou, citando o presídio onde os petistas condenados no mensalão cumprem pena.

Quem subiu no palanque para defender o governo foi hostilizado. Principal interlocutor do Planalto junto aos movimentos sociais, o secretário-geral da Presidência, Gilberto Carvalho, foi vaiado.

"Pode vaiar. É parte da democracia", disse. Ele atacou Aécio, a quem classificou como uma nova versão do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (1995-2002). "Eles governaram o país sob um arrocho salarial enorme."

No evento da CUT, a hostilidade do público impediu o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), o ministro do Trabalho, Manoel Dias, e o das Relações Institucionais, Ricardo Berzoini, de falar. Berzoini, vaiado ao ser anunciado, quando interrompeu um dos shows da festa, tentou falar e não conseguiu.

Pré-candidato do PT ao governo de São Paulo, Alexandre Padilha, tentou outra abordagem. "Quem aqui é contra o racismo? Quem aqui acha que somos todos iguais?" Falou das diferenças salariais entre homens e mulheres e deixou o local antes que as vaias recomeçassem.

O senador Eduardo Suplicy (SP) foi o único petista aplaudido. O presidente da CUT, Vagner Freitas, defendeu o governo e afirmou que a oposição representa o "retrocesso". "Temos que reconhecer os avanços que conquistamos nos últimos 12 anos", disse. "Ainda há muito a ser feito, mas não podemos esquecer das vitórias."

Nenhum comentário: