PENSAR "GRANDE":

***************************************************
[NÃO TEMOS A PRESUNÇÃO DE FAZER DESTE BLOGUE O TEU ''BLOGUE DE CABECEIRA'' MAS, O DE APENAS TE SUGERIR UM ''PENSAR GRANDE''].
***************************************************


“Pode-se enganar a todos por algum tempo; Pode-se enganar alguns por todo o tempo; Mas não se pode enganar a todos todo o tempo...” (Abraham Lincoln).=>> A MÁSCARA CAIU DIA 18/06/2012 COM A ALIANÇA POLÍTICA ENTRE O PT E O PP.

----

''Os Economistas e os artistas não morrem..." (NHMedeiros).

"O Economista não pode saber tudo. Mas também não pode excluir nada" (J.K.Galbraith, 1987).

"Ranking'' dos políticos brasileiros: www.politicos.org.br

=========
# 38 RÉUS DO MENSALÃO. Veja nomes nos ''links'' abaixo:
1Radio 1455824919 nhm...

valor ...ria...nine

folha gmail df1lkrha

***

terça-feira, junho 10, 2014

ELEIÇÕES 2014: CONTRATO LEONINO

10/06/2014
PMDB deve manter hoje seu apoio a Dilma, mas com críticas ao PT

Governistas esperam obter 80% dos votos dos delegados na convenção nacional, em Brasília

Estados onde há problemas, como o CE a BA, prometem apoiar aliança; diretórios do RJ e RS pregam ruptura

DE BRASÍLIA

Maior partido aliado da presidente Dilma Rousseff, o PMDB define nesta terça-feira (10) em convenção nacional se continuará ao lado da petista na disputa à reeleição.

Mesmo com a esperada confirmação do apoio, a sigla já prepara críticas a algumas das propostas defendidas pelo PT e pelo governo.

Entre elas está a rejeição a qualquer projeto de regulação da mídia, além de discordância em relação ao formato de reforma política defendido pelo PT e ao decreto de Dilma que obriga órgãos do governo a fazer consultas públicas antes de decidir sobre temas de interesse da sociedade.

No programa de governo, que será aprovado na convenção do PMDB e entregue a Dilma, o partido vai reafirmar a defesa da liberdade de imprensa e criticar qualquer tentativa de regulação do trabalho da mídia brasileira.

O ministro Paulo Bernardo (Comunicações) diz que em um eventual segundo mandato Dilma poderá propor uma regulação econômica da mídia que estimule a produção regional e independente. Setores do PT defendem ainda o controle de conteúdo e a proibição de um mesmo grupo econômico controlar TV, rádio e jornal.

Em relação à reforma política, os peemedebistas são contra a ideia petista de um plebiscito para deliberar sobre o tema, como defende o governo. Já sobre o decreto de Dilma, o PMDB dirá que o PT pretende "aparelhar" as decisões governamentais.

PLACAR

Na convenção, a ala dilmista do PMDB espera reunir cerca de 80% dos votos dos delegados, já que obteve a promessa de que não haverá traição em dois importantes Estados: Ceará e Bahia.

No Ceará, o pré-candidato ao governo Eunício Oliveira pode ser rival do PT na disputa estadual, mas teria dito a Temer que assegurará 42 dos 50 votos do Estado à manutenção da aliança com Dilma.

Na Bahia, o ex-deputado Geddel Vieira Lima igualmente teria garantido a fidelidade a Temer, apesar de também integrar coligação que é adversária do PT no Estado.

Caso confirme a manutenção da aliança, o PMDB irá acrescentar cerca de 2 minutos e 20 segundos (em cada bloco de 25 minutos) à propaganda eleitoral de Dilma na TV, principal instrumento das campanhas políticas.
O batalhão pró-aliança é liderado pelo vice-presidente da República, Michel Temer, que será confirmado como vice da petista no caso de a aliança ser ratificada. Dilma irá ao encontro peemedebista, pela tarde, caso as projeções de Temer se confirmem.

O grupo partidário que defende o rompimento com Dilma se concentra principalmente nos diretórios do Rio Grande do Sul, historicamente rival do PT, e do Rio de Janeiro, que ameaça uma rebelião pró-Aécio Neves (PSDB).

A ala oposicionista do PMDB distribuirá no encontro de hoje panfletos em que acusa o governo de corrupção e ineficiência. Segundo o deputado Danilo Fortes (PMDB-CE), a dissidência será bem maior do que a prevista.

Temer rebate e diz estar certo da vitória: "Se eu tiver 51%, está ótimo", afirmou ontem durante visita ao Congresso em que fez "corpo a corpo" com os peemedebistas em prol do apoio a Dilma.

Nos Estados, a relação do PT com o PMDB é marcada pela disparidade. Os peemedebistas têm candidaturas próprias confirmadas até agora em 15 Estados, sendo que em sete deles terão o apoio do PT.

Em contrapartida, o PMDB estará no palanque de apenas dois dos 13 candidatos petistas a governos estaduais: com o governador Agnelo Queiroz (DF) e o ex-ministro Fernando Pimentel (MG). Os dois partidos vão se enfrentar em sete Estados.

(GABRIELA GUERREIRO, RANIER BRAGON, MARIANA HAUBERT, NATUZA NERY, JOÃO PEDRO PITOMBO E PATRÍCIA BRITTO)

adicionada no sistema em: 10/06/2014 10:21

Nenhum comentário: