PENSAR "GRANDE":

***************************************************
[NÃO TEMOS A PRESUNÇÃO DE FAZER DESTE BLOGUE O TEU ''BLOGUE DE CABECEIRA'' MAS, O DE APENAS TE SUGERIR UM ''PENSAR GRANDE''].
***************************************************


“Pode-se enganar a todos por algum tempo; Pode-se enganar alguns por todo o tempo; Mas não se pode enganar a todos todo o tempo...” (Abraham Lincoln).=>> A MÁSCARA CAIU DIA 18/06/2012 COM A ALIANÇA POLÍTICA ENTRE O PT E O PP.

----

''Os Economistas e os artistas não morrem..." (NHMedeiros).

"O Economista não pode saber tudo. Mas também não pode excluir nada" (J.K.Galbraith, 1987).

"Ranking'' dos políticos brasileiros: www.politicos.org.br

=========
# 38 RÉUS DO MENSALÃO. Veja nomes nos ''links'' abaixo:
1Radio 1455824919 nhm...

valor ...ria...nine

folha gmail df1lkrha

***

sexta-feira, novembro 14, 2014

PT: MAIS APERTADO QUE CUNHA (ditado popular)

14/11/2014
PT adia definição de candidato a presidente da Câmara contra Cunha


Marco Maia retira seu nome, e partido busca apoio de outras siglas

Isabel Braga
e Fernanda Krakovics
BRASÍLIA


Sem um nome de consenso e ciente das dificuldades de enfrentar a disputa com o líder do PMDB, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), na disputa pela presidência da Câmara, o PT adiou o anúncio do deputado que indicará para a eleição, em fevereiro de 2015. Deputados do PT dizem que, antes, é preciso unificar a bancada em torno de um nome.

O líder da bancada do PT, Vicentinho (SP), disse que é cedo para decidir e afirmou que o partido vai conversar com as outras siglas da Casa para construir uma candidatura.
- Não vamos colocar o carro na frente dos bois. Respeitamos a candidatura do Eduardo Cunha, mas somos a maior bancada e vamos indicar, no momento oportuno, um candidato - afirmou Vicentinho.
O líder não quis fixar uma data para o anúncio do candidato, mas os petistas acreditam que isso acontecerá em duas semanas. O PT deverá oferecer um nome aos deputados da base aliada.
O governo Dilma não descarta apoiar um nome de fora do partido, caso ele reúna mais apoios para derrotar Cunha. A hipótese também foi levantada por deputados petistas na reunião de ontem da bancada, da qual participaram os ministros Aloizio Mercadante (Casa Civil) e Ricardo Berzoini (Relações Institucionais).
O principal objetivo do PT é evitar a eleição de Cunha. Para o PT, apesar de ele ser o líder do principal partido aliado, Cunha liderou rebeliões contra votações de interesse do governo e não é confiável.
- Não precisamos ter um presidente que concorde com o governo, mas não podemos ter um presidente que, a priori, sempre se posicione contra o governo e seja movido a paixões - disse a deputada Maria do Rosário (PT-RS).
- Neste momento, temos que buscar temas que nos unifiquem, como a votação da mudança da LDO. Para que vamos nos adequar à agenda dele (Cunha)? Não vamos antecipar um debate que só será decidido em 1º de fevereiro - afirmou Odair Cunha (PT-MG).
Quatro nomes citados
Quatro nomes foram citados pelos petistas como possíveis candidatos. O mais forte é o do ex-presidente da Casa Arlindo Chinaglia (PT-SP). Também foram lembrados José Guimarães (CE) e o ex-ministro e prefeito de Belo Horizonte Patrus Ananias (MG). De manhã, Marco Maia (RS), ex-presidente da Casa, mandou uma carta em que retira seu nome da disputa, mas companheiros dizem que ele abre brecha para concorrer, se for nome de consenso na bancada.
- O PT vai construir uma candidatura junto a outras bancadas, jamais vai sair brandindo um nome - disse Chinaglia.
O presidente do PT, Rui Falcão, minimizou a disputa com Cunha:
- É um processo natural, em outros momentos houve disputa pela presidência da Câmara. Não é nervosa, não é tensão. É um processo natural na disputa de espaço.
Na reunião de ontem, Berzoini enfatizou que não poderá haver disputa na bancada, sob o risco de nova derrota, como ocorreu quando Luiz Eduardo Greenhalgh e Virgílio Guimarães lançaram-se candidatos à presidência da Câmara, em 2005, e perderam para Severino Cavalcanti (PP-PE).
A candidatura de Cunha é forte por se tratar de um deputado da base, mas também identificado como alguém capaz de garantir a independência do Legislativo diante do governo Dilma.

adicionada no sistema em: 14/11/2014 03:52

Nenhum comentário: