PENSAR "GRANDE":

***************************************************
[NÃO TEMOS A PRESUNÇÃO DE FAZER DESTE BLOGUE O TEU ''BLOGUE DE CABECEIRA'' MAS, O DE APENAS TE SUGERIR UM ''PENSAR GRANDE''].
***************************************************


“Pode-se enganar a todos por algum tempo; Pode-se enganar alguns por todo o tempo; Mas não se pode enganar a todos todo o tempo...” (Abraham Lincoln).=>> A MÁSCARA CAIU DIA 18/06/2012 COM A ALIANÇA POLÍTICA ENTRE O PT E O PP.

----

''Os Economistas e os artistas não morrem..." (NHMedeiros).

"O Economista não pode saber tudo. Mas também não pode excluir nada" (J.K.Galbraith, 1987).

"Ranking'' dos políticos brasileiros: www.politicos.org.br

=========
# 38 RÉUS DO MENSALÃO. Veja nomes nos ''links'' abaixo:
1Radio 1455824919 nhm...

valor ...ria...nine

folha gmail df1lkrha

***

terça-feira, fevereiro 03, 2015

DUQUE A SERVIÇO DO REI E DA RAINHA

03/02/2015

Delator entrega à PF documentos que comprovam propina a Duque

Notas fiscais apresentadas por dono da Setal somam R$ 40 milhões

Cleide Carvalho* e Renato Onofre

CURITIBA e SÃO PAULO

O empresário Augusto de Mendonça Neto, dono da Setal Engenharia e um dos delatores do esquema de corrupção na Petrobras, entregou à Polícia Federal contratos e notas fiscais que, segundo ele, compravam o pagamento de propina ao ex-diretor de Serviços da estatal Renato Duque. Duque é apontado pela PF e pelos delatores Alberto Youssef e Paulo Roberto Costa como o responsável pelo desvio de recursos para abastecer o PT. As notas fiscais entregues à polícia somam mais de R$ 40 milhões.

Segundo os documentos, o repasse de propina para Duque foi feito entre 2009 e 2012 por meio de pagamentos às empresas Power To Tem Engenharia, Legend Engenheiros Associados, Rock Star Marketing, SM Terraplanagem e Soterra Terraplanagem. Para justificar as transações, foram assinados pelo menos cinco contratos de prestação de serviço entre Mendonça e as empresas, todos com cláusulas de confidencialidade.

Todas estas empresas já eram conhecidas da PF. Em 2012, elas foram apontadas pelos investigadores como as empresas de fachadas utilizadas pelo empresário Fernando Cavendish, ex-dono da construtora Delta, para desviar recursos de obras públicas. Em 2012, durante a CPI que investigou o caso Delta, Cavendish delatou o esquema.

Mendonça Neto, que depôs ontem para o juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, apresentou também comprovantes de pagamento de propina mediante doações oficiais no valor de R$ 4,2 milhões feitas diretamente ao PT entre 2008 e 2012. Segundo ele, os repasses foram feitos por orientação de Renato Duque, e através de suas empresas. A SOG Óleo e Gás depositou para o PT nacional R$ 3,160 milhões entre 2009 e 2012, e a PEM Engenharia depositou R$ 500 mil em 2010. Outros R$ 600 mil foram depositados na conta do diretório do PT na Bahia em duas remessas, em 2008 e 2010. Comprovantes de depósitos foram anexados ao processo.

O advogado Antonio Figueiredo Basto, que representa o doleiro Alberto Youssef, afirmou que, durante a audiência de ontem, o nome dos ex-diretores Renato Duque e Paulo Roberto foi citado diversas vezes pelos depoentes como recebedores de dinheiro para que o esquema de desvio continuasse a funcionar dentro da Petrobras. Segundo Basto, Mendonça Neto afirmou que Duque pediu que ele desse dinheiro ao PT a título de doação oficial para manter o contrato da empreiteira.

No depoimento de delação premiada, Mendonça Neto já havia afirmado que foi orientado a fazer depósitos legais nas contas do partido. Segundo o delator, o dinheiro tinha origem no desvio de recursos de obras da Petrobras. Mendonça Neto é dono de 17 empresas e usou várias para repassar o dinheiro de propina.

O empresário também apresentou extratos de contas de celular que indicam comunicação com pessoas ligadas a empreiteiras que participavam do cartel - Odebrecht e Skanska. Foram detalhadas ainda ligações feitas a executivos da Camargo Corrêa. Também já estão nas mãos da PF detalhes dos pagamentos efetuados ao grupo de Costa, que usava empresas de fachada como a empreiteira Rigidez e a MO Consultoria, usadas por Youssef. Prestaram depoimento em Curitiba o delegado da PF Márcio Adriano Anselmo, que participa da Operação Lava-Jato, e o consultor Júlio Gerin de Almeida Camargo. O conteúdo dos depoimentos não foi informado. (* Enviada especial a Curitiba)
------------

Nenhum comentário: