PENSAR "GRANDE":

***************************************************
[NÃO TEMOS A PRESUNÇÃO DE FAZER DESTE BLOGUE O TEU ''BLOGUE DE CABECEIRA'' MAS, O DE APENAS TE SUGERIR UM ''PENSAR GRANDE''].
***************************************************


“Pode-se enganar a todos por algum tempo; Pode-se enganar alguns por todo o tempo; Mas não se pode enganar a todos todo o tempo...” (Abraham Lincoln).=>> A MÁSCARA CAIU DIA 18/06/2012 COM A ALIANÇA POLÍTICA ENTRE O PT E O PP.

----

''Os Economistas e os artistas não morrem..." (NHMedeiros).

"O Economista não pode saber tudo. Mas também não pode excluir nada" (J.K.Galbraith, 1987).

"Ranking'' dos políticos brasileiros: www.politicos.org.br

=========
# 38 RÉUS DO MENSALÃO. Veja nomes nos ''links'' abaixo:
1Radio 1455824919 nhm...

valor ...ria...nine

folha gmail df1lkrha

***

terça-feira, fevereiro 03, 2015

PETROLÃO. QUANDO ''LEGEND'' NÃO É UMA LENDA...

03/02/2015

Firmas eram usadas para pagar propina a Duque, diz delator

Segundo executivo da Toyo Setal, cinco empresas emitiam notas fiscais sem a prestação de serviços para justificar saída de valores

DE BRASÍLIA DE SÃO PAULO

Em depoimento à força-tarefa da Operação Lava Jato, o executivo Augusto Ribeiro de Mendonça Neto, da Toyo Setal, revelou que cinco empresas eram usadas para pagar propina a emissários de Renato Duque, ex-diretor de Serviços da Petrobras.

Segundo ele, que firmou acordo de delação premiada, essas empresas trabalham com suposto aluguel de máquinas de terraplanagem e emitiram notas fiscais sem a prestação de serviços "para gerar a saída de recursos do consórcio", o que permitiu um caixa dois na Setec Tecnologia, um braço da Toyo Setal.

O dinheiro, diz o delator, foi usado para pagar propina em troca de negócios na estatal. Só em dois contratos, Mendonça Neto repassou R$ 66 milhões simulando a contratação de máquinas.

"Os contratos simulados eram de aluguéis de equipamentos e terraplanagem para obras da Repar [refinaria da Petrobras no Paraná]. Essas empresas eram pagas na sua grande maioria por transferências bancárias e as empresas disponibilizavam reais em espécie ou remetiam os valores ao exterior", disse o delator, citando as empresas Legend, Soterra, Power, SM Terraplanagem e Rockstar.

A quebra do sigilo bancário da empresa de Mendonça Neto, a Tipuana Participações, indicou um total de R$ 31 milhões depositados na conta da Legend e outros R$ 35 milhões na conta da Soterra nos anos de 2009 e 2010.

Duque nega ter participado de irregularidades.

Nenhum comentário: