PENSAR "GRANDE":

***************************************************
[NÃO TEMOS A PRESUNÇÃO DE FAZER DESTE BLOGUE O TEU ''BLOGUE DE CABECEIRA'' MAS, O DE APENAS TE SUGERIR UM ''PENSAR GRANDE''].
***************************************************


“Pode-se enganar a todos por algum tempo; Pode-se enganar alguns por todo o tempo; Mas não se pode enganar a todos todo o tempo...” (Abraham Lincoln).=>> A MÁSCARA CAIU DIA 18/06/2012 COM A ALIANÇA POLÍTICA ENTRE O PT E O PP.

----

''Os Economistas e os artistas não morrem..." (NHMedeiros).

"O Economista não pode saber tudo. Mas também não pode excluir nada" (J.K.Galbraith, 1987).

"Ranking'' dos políticos brasileiros: www.politicos.org.br

=========
# 38 RÉUS DO MENSALÃO. Veja nomes nos ''links'' abaixo:
1Radio 1455824919 nhm...

valor ...ria...nine

folha gmail df1lkrha

***

segunda-feira, junho 29, 2015

A QUE PONTO CHEGA O HOMEM: ''FROM 'ECCE HOMO' TO ''THE NUMBER ONE"

27/06/2015 às 16:32 \ Direto ao Ponto
O uso de senhas como ‘tulipa’ e ‘caneco’ informa que os devotos do ‘Brahma’ inventaram a cautela imprudente



É sempre assim. Tão logo se descobre que outra reportagem de VEJA vai reiterar que sábado é o mais cruel dos dias para quem tem culpa no cartório, recomeça a apresentação da ária mais enfadonha da Ópera dos Malandros. O elenco da peça produzida, dirigida e estrelada por Lula volta ao palco para convencer a plateia de que verdade é mentira.

Tem sido assim desde a descoberta do Mensalão em meados de 2005. De lá para cá, os canastrões em cena capricham na pose de vítima e repetem as mesmas falas. Os culpados são inocentes. O xerife é o vilão. É tudo invencionice da imprensa reacionária a serviço da elite golpista. O que parece comissão é uma contribuição financeira espontânea e legal. Os responsáveis pela infâmia serão imediatamente processados. E tome conversa de 171.

Não poderia ser diferente neste fim de semana especialmente pressago para celebrantes de missa negra. Apavorado com a reportagem de capa de VEJA, que enfileirou em 12 páginas a essência dos depoimentos prestados pelo empreiteiro Ricardo Pessoa, o rebanho que acompanha o sinuelo sem rumo nem esperou pela chegada às bancas da presente edição da revista para balir em coro que está em curso mais uma trama sórdida contra o PT.

Como confiar na palavra de um bandido confesso, e ainda por cima delator?, recitam os filiados ao partido que virou bando. Para a companheirada, só é criminoso um parceiro de maracutaias que, em troca dos benefícios reservados aos que aceitam colaborar com a Justiça, decide contar o que fez, revelar o que sabe e identificar os comparsas. É o caso de Pessoa. Até recentemente um generoso amigo de Lula, agora é o inimigo número 1 dos embusteiros no poder.

Coerentemente, os lulopetistas insones com o ruído do camburão enxergam  guerreiros do povo brasileiro em todos os delinquentes que se mantêm de boca fechada — só abrem o bico para mentir. Nada fizeram de errado. Como não cometeram crimes, não existem cúmplices. Portanto, não há nada a confessar. Quem opta pelo silêncio mafioso tem vaga assegurada no time dos inocentes ultrapados por direitistas que abandonam o avião quando um ex-pobre se instala na poltrona ao lado.

Além da desqualificação do acusador, o manual da esperteza companheira ordena o sepultamento da prova testemunhal. Se não estiver amparada em provas materiais, toda acusação deve ser rebaixada a fofoca. Para azar dos cleptocratas liberticidas, Ricardo Pessoa juntou aos depoimentos uma pilha de documentos e planilhas com altíssimo teor explosivo. Nem precisava, informa a leitura das declarações do empreiteiro.

Os depoimentos de Pessoa confirmam que o poder de fogo da prova testemunhal é determinado pelo volume e pela qualidade dos detalhes. Afirmar que João Vaccari Neto recolhia pessoalmente a parte do PT no produto do roubo é uma coisa. Fica mais convincente quando se acrescenta que a alcunha de Vaccari — Moch — foi sugerida pela mochila permanentemente pendurada no ombro do coletor de propinas. Ao revelar que  o tesoureiro gatuno chamava propina de “pixuleco”, Pessoa desenhou um círculo que lembra o das algemas.

Outros detalhes aposentaram de vez a piada do chefe de tudo que nunca soube de nada. “Segundo Ricardo Pessoa”, diz um trecho da reportagem de VEJA, “a UTC deu 2,4 milhões de reais em dinheiro vivo para a campanha à reeleição de Lula, numa operação combinada diretamente com José de Filippi Júnior, que era o tesoureiro da campanha e hoje é secretário de Saúde da cidade de São Paulo”.

As minúcias seguintes atestam que os saqueadores da Petrobras se valiam de métodos que fundiam cuidados e descuidos. Ficou estabelecido que os pacotes de dinheiro seriam levados ao comitê da campanha de Lula por Pessoa, pelo executivo da UTC Walmir Pinheiro ou por um emissário escalado por ambos. “Para não chamar a atenção de outros petistas que trabalhavam no local”, revela VEJA, “a entrega da encomenda era precedida de uma troca de senhas entre o pagador e o beneficiário”.

Ao chegar à cena do crime, o homem da mala deveria dizer “Tulipa”. Só subiria se ouvisse a contra-senha corrreta: “Caneco”. As duas palavras remetem a chope e cerveja, que rimam com “Brahma”. Em mensagens trocadas por integrantes da organização criminosa, “Brahma” era o codinome de Lula. Entre uma ladroagem e outra, os quadrilheiros do Petrolão conseguiram inventar a cautela imprudente.

Nenhum comentário: