PENSAR "GRANDE":

***************************************************
[NÃO TEMOS A PRESUNÇÃO DE FAZER DESTE BLOGUE O TEU ''BLOGUE DE CABECEIRA'' MAS, O DE APENAS TE SUGERIR UM ''PENSAR GRANDE''].
***************************************************


“Pode-se enganar a todos por algum tempo; Pode-se enganar alguns por todo o tempo; Mas não se pode enganar a todos todo o tempo...” (Abraham Lincoln).=>> A MÁSCARA CAIU DIA 18/06/2012 COM A ALIANÇA POLÍTICA ENTRE O PT E O PP.

----

''Os Economistas e os artistas não morrem..." (NHMedeiros).

"O Economista não pode saber tudo. Mas também não pode excluir nada" (J.K.Galbraith, 1987).

"Ranking'' dos políticos brasileiros: www.politicos.org.br

=========
# 38 RÉUS DO MENSALÃO. Veja nomes nos ''links'' abaixo:
1Radio 1455824919 nhm...

valor ...ria...nine

folha gmail df1lkrha

***

segunda-feira, junho 08, 2015

BNDES... VAMOS AGUARDAR OUTRA OPERAÇÃO.

Exclusivo: antecipamos a investigação do site BRIO sobre o BNDES

Este é o primeiro post sobre a atuação do BNDES petista em cinco países da América Latina: Argentina, Bolívia, Equador, Venezuela e Peru. Em todos eles, empresas brasileiras fizeram negócios -- ou tentaram fazer -- graças a financiamentos generosos feitos com o dinheiro do contribuinte brasileiro.
A série que começa aqui resume a investigação promovida pelo BRIO, um novo site de jornalismo investigativo cujo co-fundador é Fernando Mello, com quem eu (Mario) tive a honra de trabalhar na revista Veja. O BRIO publicará amanhã, em inglês, espanhol e português (www.brio.media/pt/watch-dog), a íntegra das reportagens conduzidas por 17 profissionais, entre repórteres, fotógrafos, infografistas e cinegrafistas.
Fernando Mello e os seus colaboradores tentaram, via Lei de Acesso à Informação, obter os dados dos financiamentos do BNDES a esses países. Técnicos da CGU recomendaram que eles fossem entregues ao Brio, mas um conselho de ministros de Dilma Rousseff deu parecer contrário. Diante da recusa, Fernando Mello teve a ideia de fazer a investigação de "fora para dentro" -- propôs a jornalistas de Argentina, Bolívia, Equador, Venezuela e Peru que se debruçassem sobre os projetos irrigados pelo BNDES. Para tanto, o Brio contou com o financiamento da Open Society, entidade criada pelo empresário George Soros para aumentar a transparência dos governos e permitir aos cidadãos que os controlem, em especial no nosso subcontinente infeliz.
O resultado do trabalho comprova que o compadrio entre os petistas e os seus congêneres latino-americanos se sobrepôs aos interesses dos diferentes países, que na maioria das vezes o BNDES obedece a critérios exclusivamente políticos para conceder empréstimos e que as empresas brasileiras beneficiadas atuam com métodos inescrupulosos idênticos aos utilizados aqui.


Nenhum comentário: