PENSAR "GRANDE":

***************************************************
[NÃO TEMOS A PRESUNÇÃO DE FAZER DESTE BLOGUE O TEU ''BLOGUE DE CABECEIRA'' MAS, O DE APENAS TE SUGERIR UM ''PENSAR GRANDE''].
***************************************************


“Pode-se enganar a todos por algum tempo; Pode-se enganar alguns por todo o tempo; Mas não se pode enganar a todos todo o tempo...” (Abraham Lincoln).=>> A MÁSCARA CAIU DIA 18/06/2012 COM A ALIANÇA POLÍTICA ENTRE O PT E O PP.

----

''Os Economistas e os artistas não morrem..." (NHMedeiros).

"O Economista não pode saber tudo. Mas também não pode excluir nada" (J.K.Galbraith, 1987).

"Ranking'' dos políticos brasileiros: www.politicos.org.br

=========
# 38 RÉUS DO MENSALÃO. Veja nomes nos ''links'' abaixo:
1Radio 1455824919 nhm...

valor ...ria...nine

folha gmail df1lkrha

***

terça-feira, outubro 13, 2015

A DAMA DO NADA...


12/10/2015 às 15:52 \ Opinião
Editorial do Estadão: 

Na bacia das almas

Publicado no Estadão

Na primeira reunião com seu novo Ministério, a presidente Dilma Rousseff não tratou de questões administrativas, pois ela já não governa mais. O único tema relevante do encontro foi a perspectiva, cada vez mais real, de que sofra um processo de impeachment. E Dilma implorou a seus ministros que trabalhem para manter o mandato presidencial, pois para isso foram nomeados ─ e não para administrar a coisa pública e cuidar do bem-estar da Nação.

Dilma é hoje uma alma penada, como aquelas que, segundo a tradição medieval cristã, esperam abreviar seu sofrimento por meio da caridade dos que despejam alguns trocados na bacia de doações da igreja. A petista recorre agora a essa “bacia das almas” porque perdeu todas as chances de se redimir de seus pecados políticos e administrativos e depende exclusivamente da boa vontade de terceiros como última cartada para salvar-se do inferno do ostracismo. E essa boa vontade, como se sabe, não é nada desinteressada.

Dilma montou um novo Ministério na expectativa de aplacar o apetite fisiológico da chamada “base aliada” e, assim, garantir apoio no Congresso para impedir a aprovação de mais gastos públicos e, principalmente, para barrar o impeachment. A persistente falta de quórum para votar os vetos de Dilma a projetos que criam despesas mostrou que os novos amigos da presidente não têm como entregar aquilo que lhe prometeram, pois está cada vez mais claro que, uma vez dada a mão, os “governistas” querem arrancar também o braço ─ e não se satisfarão com esse membro.

Enquanto isso, a “governabilidade” fica a depender de gente cada vez menos qualificada, num processo de degradação da administração que desautoriza qualquer manifestação de otimismo sobre o país num futuro previsível. Para Dilma, porém, isso não parece ser importante. A única coisa que interessa é segurar-se na cadeira presidencial, custe o que custar.

Para isso, a presidente e seus cada vez mais raros defensores passaram os últimos tempos a acusar a oposição de atropelar as instituições democráticas com o objetivo de dar um golpe. No entanto, com a derrota sofrida no Tribunal de Contas da União, que rejeitou as contas de seu governo, e no Tribunal Superior Eleitoral, que autorizou o prosseguimento de uma ação que pode lhe cassar o mandato, ficou claro que as instituições, repletas de ministros nomeados pelo próprio governo petista, funcionam muito bem ─ e então Dilma se viu obrigada a mudar seu discurso.

Agora, a presidente, caprichando no “dilmês”, diz que pode estar em curso no país um “golpe democrático”, a exemplo do que, segundo ela, aconteceu no Paraguai em 2012. Trata-se de uma referência ao impeachment do então presidente paraguaio, Fernando Lugo, como resultado de um processo que durou pouco mais de 24 horas ─ tudo feito segundo o que previa a lei local. Na visão de Dilma, a oposição brasileira, assim como fez a paraguaia, quer dar um “golpe” usando as ferramentas oferecidas pelas próprias instituições democráticas. Assim, seu impedimento não seria legítimo, mas fruto de manobras espúrias, com simples aparência de legalidade.

Com isso, Dilma quer desmoralizar qualquer forma de processo contra si e contra seu governo, mesmo que seja conduzido dentro do mais estrito respeito às normas democráticas e constitucionais. É, para dizer o mínimo, uma atitude autoritária.

Em vez de denunciar o tal “golpe à paraguaia” no Brasil, Dilma deveria se empenhar em salvar um pouco da dignidade que lhe resta, a começar pelo reconhecimento sincero de seus erros. Mas não. Dilma até desistiu de negar as “pedaladas fiscais”, pois já não é mais possível dizer que elas não existiram, mas instruiu seus ministros a dizer que aquele artifício contábil foi necessário porque era a única maneira de manter em dia os programas sociais em meio à crise econômica. Com isso, a petista admite que pecou, mas quer convencer o país de que foi por uma boa causa. Se é assim que Dilma pretende ser remida de suas faltas, haja indulgência.

Nenhum comentário: