PENSAR "GRANDE":

***************************************************
[NÃO TEMOS A PRESUNÇÃO DE FAZER DESTE BLOGUE O TEU ''BLOGUE DE CABECEIRA'' MAS, O DE APENAS TE SUGERIR UM ''PENSAR GRANDE''].
***************************************************


“Pode-se enganar a todos por algum tempo; Pode-se enganar alguns por todo o tempo; Mas não se pode enganar a todos todo o tempo...” (Abraham Lincoln).=>> A MÁSCARA CAIU DIA 18/06/2012 COM A ALIANÇA POLÍTICA ENTRE O PT E O PP.

----

''Os Economistas e os artistas não morrem..." (NHMedeiros).

"O Economista não pode saber tudo. Mas também não pode excluir nada" (J.K.Galbraith, 1987).

"Ranking'' dos políticos brasileiros: www.politicos.org.br

=========
# 38 RÉUS DO MENSALÃO. Veja nomes nos ''links'' abaixo:
1Radio 1455824919 nhm...

valor ...ria...nine

folha gmail df1lkrha

***

quinta-feira, fevereiro 02, 2017

NA MIRA DA ODEBRECHT

Na mira da Odebrecht

Quem são os políticos mencionados pelos delatores da empreiteira
Os depoimentos prestados por funcionários e ex-funcionários da Odebrecht em 77 acordos de delação premiada aguardam homologação pelo STF (Supremo Tribunal Federal). Caberá ao ministro relator da Operação Lava Jato, Teori Zavascki, homologar ou não as declarações para que possam ser usadas em inquéritos e ações penais. Veja quais políticos já foram implicados nas delações.
http://arte.folha.uol.com.br/poder/operacao-lava-jato/delacao-odebrecht/
Ordenar por:
  
Partido:
 

ADOLFO VIANA (PSDB-BA)

Deputado estadual
Apelido: Jovem
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 2 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 50 mil na campanha de 2010, após pedido do deputado federal Jutahy Magalhães (PSDB-BA)
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2010
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):50 mil
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

Outro lado:Afirmou por meio de nota que todas as doações recebidas foram declaradas, lícitas e sem exigir qualquer contrapartida. Disse também estar "profundamente indignado com o teor das notícias veiculadas"

AÉCIO NEVES (PSDB-MG)

Senador
Foi 3 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:O delator menciona Aécio, mas diz não ter participado de tratativas de pagamentos a ele. Segundo as planilhas da Odebrecht, "mineirinho" é apontado como destinatário de R$ 15 milhões entre 7 de outubro e 23 de dezembro de 2014. Há a suspeita de que o apelido se refira a Aécio
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):15 milhões

Outro lado:Valor foi registrado no TSE, segundo PSDB mineiro; Aécio desconhece citações

ANDERSON DORNELLES (PT-RS)

Ex-assessor da presidente Dilma Rousseff
Apelido: Las Vegas
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 5 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Pediu apoio financeiro a Marcelo Odebrecht, recebendo R$ 150 mil em 2013 e R$ 200 mil em 2014
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2013 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):350 mil
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

Outro lado:Afirmou, em nota, que nunca esteve em reunião na sede da Odebrecht e que não recebeu nem solicitou ajuda financeira, nem autorizou terceiros a isso

ANTONIO BRITO (PSD-BA)

Deputado federal
Apelido: Misericórdia
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 7 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Pediu apoio financeiro na campanha de 2010 e recebeu R$ 100 mil via caixa dois. Também recebeu doação de R$ 130 mil na campanha de 2014
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2010 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):230 mil
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE
Caixa dois

ANTÔNIO IMBASSAHY (PSDB-BA)

Deputado federal
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 2 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu cerca de R$ 300 mil na campanha de 2014
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Mostrou-se solidário com Marcelo Odebrecht
Ano: 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):299,7 mil
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE

ANTONIO PALOCCI (PT-SP)

Ex-ministro dos governos Lula e Dilma
Situação judicial na Lava Jato: 
Réu
Foi 12 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:O delator menciona Palocci, mas diz que não participou de tratativas de suposto pagamento e que o ex-ministro falava diretamente com Marcelo Odebrecht
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Aparece citado como interlocutor para tratar de questões tributárias ligadas à empresa Odebrecht

ARTHUR MAIA (PPS-BA)

Deputado federal
Apelido: Tuca
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 6 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 250 mil em 2010 via caixa dois e doação de R$ 350 mil em 2014
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2010 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):600 mil
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE
Caixa dois

ARTHUR VIRGÍLIO (PSDB-AM)

Prefeito de Manaus
Apelido: Kimono
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi uma vez citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 300 mil na campanha de 2010
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2010
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):300 mil
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

Outro lado:Disse que recebeu, em 2010, R$ 80 mil Leyroz de Caixias Indústria, Comércio e Logística, uma subsidiária da Odebrecht, com registro na Justiça Eleitoral. Afirmou que nunca apresentou emenda ao Orçamento que beneficiasse a Odebrecht. Informou que processará o delator Claudio Melo Filho e a Odebrecht por difamação

BENITO GAMA (PTB-BA)

Ex-deputado federal
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 3 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu doação de R$ 30 mil na campanha de 2014
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):30 mil
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE

Outro lado:A doação consta da prestação de contas à Justiça Eleitoral. Afirma ainda que não era deputado federal em 2014 e que, na época, a fonte doadora era legítima e legal

BRUNO ARAÚJO (PSDB-PE)

Ministro das Cidades
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 5 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:O delator apenas diz ter tido contato frequente com o deputado, com quem tinha boa relação profissional e pessoal
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Indicou o delator para receber a Medalha do Mérito Legislativo em 2012. Também tratou de renovação dos contratos de energia no Nordeste com o delator

CARLINHOS ALMEIDA (PT-SP)

Prefeito de São José dos Campos
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 5 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 50 mil na campanha de 2012
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Defendeu interesses da Odebrecht na discussão da Medida Provisória 544/2011, que concedeu incentivos à indústria de defesa
Ano: 2012
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):50 mil
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE

Outro lado:Afirmou por meio de nota que recebeu doações legais de empresas do setor de defesa como Embraer, a Avibras e a Odebrecht Defesa e Tecnologia. Disse também que a discussão da MP 544/2011, que relatou na Câmara, foi concluída antes de ser candidato a prefeito em 2012. Afirmou que nenhum fato relatado sobre ele na delação de Claudio Melo Filho constituiu crime ou ato antiético e que "o único benefício resultante da MP 544/2011 foi o fortalecimento da indústria de defesa, com geração de empregos"

CIRO NOGUEIRA (PP-PI)

Senador
Apelido: Cerrado, Piqui
Situação judicial na Lava Jato: 
Alvo de inquérito
Foi 10 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Pediu apoio financeiro e recebeu R$ 1,6 mi nas campanhas de 2010 e 2014
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Agendou audiências com autoridades para tratar de assuntos da Odebrecht e apoiou interesses da empresa na discussão da Medida Provisória 656/2014
Ano: 2010
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):1,6 mi
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

Outro lado:O senador, pela assessoria, divulgou nota do Partido Progressista: "As doações recebidas pelo Partido Progressista foram legais e sempre devidamente declaradas à Justiça Eleitoral"

CLAUDIO CAJADO (DEM-BA)

Deputado federal
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 2 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 305 mil na campanha de 2014
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):305 mil
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE

Outro lado:Afirma que a doação foi oficial e declarada, e feita em razão de ele ser representante da região metropolitana de Salvador, onde a empresa tem negócios

COLBERT MARTINS (PMDB-BA)

Suplente de deputado federal, eleito vice-prefeito de Feira de Santana (BA)
Apelido: Médico
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 2 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 150 mil na campanha de 2010 via caixa dois, após pedido de Geddel Vieira Lima, ex-ministro de Michel Temer. Também recebeu R$ 441 mil na campanha de 2014
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2010 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):591,4 mil
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE
Caixa dois

DANIEL ALMEIDA (PC DO B-BA)

Deputado federal
Apelido: Comuna
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 2 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 100 mil na campanha de 2010
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Empresa esperava ajuda após ganhar concessão do estádio Fonte Nova, em Salvador (BA)
Ano: 2010
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):100 mil
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

DELCIDIO DO AMARAL (EX-PT-MS)

Ex-senador
Apelido: Ferrari
Situação judicial na Lava Jato: 
Réu
Foi 4 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Pediu apoio financeiro e recebeu R$ 500 mil
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Apoiou interesses da Odebrecht na discussão do PRS 72/2010, que garantiu tratamento tributário favorável a operações de interesse de empresas da Odebrecht
Ano: 2012
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):500 mil
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

DUARTE NOGUEIRA (PSDB-SP)

Deputado federal, eleito prefeito de Ribeirão Preto
Apelido: Corredor
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 6 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Pediu apoio financeiro na campanha de 2010 e recebeu R$ 350 mil via caixa dois. Em 2014, recebeu doação de R$ 300 mil
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Prometeu apoiar interesses da Odebrecht na disputa em torno das usinas do rio Madeira em 2008
Ano: 2010 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):650 mil
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE
Caixa dois

Outro lado:Afirma que todas as doações recebidas em suas campanhas eleitorais foram regularmente declaradas e aprovadas pelo TSE. Para ele, são prematuras especulações em torno de delações ainda não homologadas. Diz ainda que nunca participou, nem como suplente, da Comissão de Minas e Energia da Câmara, citada pelo delator. Afirma também que é favorável às investigações

EDUARDO CUNHA (PMDB-RJ)

Ex-deputado federal
Apelido: Caranguejo
Situação judicial na Lava Jato: 
Réu
Foi 35 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht, e Paulo Cesena, ex-presidente da Odebrecht Transport
O que fez, segundo a delação:Segundo o delator Claudio Melo Filho, Cunha recebeu R$ 7 milhões na campanha de 2010, mas o próprio delator lista pagamentos no valor total de R$ 10,5 milhões. Em 2014, recebeu do ministro Eliseu Padilha R$ 1 milhão dos R$ 10 milhões prometidos por Marcelo Odebrecht a Michel Temer. Segundo o jornal "O Globo", outro delator, Paulo Cesena, diz que Cunha recebeu R$ 4,6 milhões da empresa
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Apoiou interesses da Odebrecht na área de energia e não criou dificuldades para pedidos da Odebrecht Transport ao Fundo de Investimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FI-FGTS)
Ano: 2010 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):16,1 milhões
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

Outro lado:Defesa refuta qualquer suspeita relacionada ao tema

EDVALDO BRITO (PSD-BA)

Vereador
Apelido: Candomblé
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi uma vez citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 300 mil na campanha de 2010 a pedido do filho, o deputado federal Antonio Brito
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2010
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):300 mil
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

ELISEU PADILHA (PMDB-RS)

Ministro da Casa Civil
Apelido: Primo
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 45 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Participou de jantar em que Michel Temer pediu apoio à Odebrecht para campanhas do PMDB em 2014. Também recebeu, via caixa dois, R$ 4 milhões dos R$ 10 milhões prometidos por Marcelo Odebrecht a Temer. Ele cobrou apoio financeiro da empreiteira para o PMDB após assumir Secretaria de Aviação Civil
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Agendou reuniões com Michel Temer para tratar de assuntos de interesse da Odebrecht
Ano: 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):4 milhões
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

Outro lado:Diz que não foi candidato em 2014, que nunca tratou de arrecadação para deputados e que a acusação é uma mentira

EUNICIO OLIVEIRA (PMDB-CE)

Senador
Apelido: Índio
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 16 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 2,1 milhões via caixa dois
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Apoiou interesses da Odebrecht na discussão da Medida Provisória 613/2013, que concedeu incentivos fiscais que beneficiaram indústrias químicas e produtores de etanol
Ano: 2013 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):2,1 milhões
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

Outro lado:Diz que nunca autorizou o uso de seu nome por terceiros e jamais recebeu recursos para a aprovação de projetos ou apresentação de emendas legislativas. Afirma que as doações da Odebrecht foram declaradas

FLÁVIO DOLABELLA (SEM PARTIDO)

Funcionário público
Apelido: Fazendeiro
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 8 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu dinheiro após entregar atas de comitê do governo que decide questões relativas a financiamento a exportações
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Entregou à Odebrecht atas de reuniões do Cofig (Comitê de Financiamento e Garantia das Exportações)
Ano: 2010
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):45 mil

FRANCISCO DORNELLES (PP-RJ)

Vice-governador do Rio
Apelido: Velhinho
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 10 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 200 mil na campanha de 2010
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Apresentou emenda ao PLC 32/2007, que introduz mudanças na Lei 8.666/1993, a Lei de Licitações
Ano: 2010
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):200 mil
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

GEDDEL VIEIRA LIMA (PMDB-BA)

Ex-ministro dos governos Michel Temer e Lula
Apelido: Babel
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 67 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 1 milhão na campanha de 2006 (a delação não indica se via caixa dois ou doação). Em 2008, quando concorreu a prefeito de Salvador, recebeu doações da empreiteira. Em 2010, quando concorreu a governador, recebeu R$ 1,5 milhão via caixa dois e doação de R$ 680 mil da Braskem, empresa da Odebrecht. Na eleição para senador, em 2014, recebeu um total de R$ 2,7 milhões da Odebrecht e da Braskem. Além disso, recebeu 3% de propina para liberar recursos do Ministério da Integração Nacional para obra da Odebrecht. Também ganhou um relógio Patek-Philippe ao completar 50 anos no valor de US$ 25 mil
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Liberou recursos do Ministério da Integração Nacional para obra da Odebrech e apresentou emenda à Medida Provisória 252/2005 a pedido da Odebrecht
Ano: 2005, 2006, 2008, 2009, 2010 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):5,88 milhões
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE
Caixa dois

GERALDO ALCKMIN (PSDB-SP)

Governador de São Paulo
Apelido: Santo
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
É citado por:
Carlos Armando Paschoal, ex-diretor da Odebrecht em São Paulo e um dos responsáveis por negociar doações eleitorais para políticos
O que fez, segundo a delação:Delator diz que a empresa realizou pagamento de caixa dois, em dinheiro vivo, para as campanhas de 2010 e 2014. Ao menos R$ 2 milhões teriam sido pagos
Ano: 2010 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):2 milhões
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE
Caixa dois

Outro lado:Diz que são prematuras conclusões com base em vazamentos de delações não homologadas

GILBERTO KASSAB (PSD-SP)

Ministro da Ciência, Tecnologia e Comunicações
Apelido: Kafta
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi uma vez citado na delação
É citado por:
Paulo Cesena, ex-presidente da Odebrecht Transport, e Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Segundo o jornal "O Globo", Paulo Cesena diz que, entre 2013 e 2014, Kassab recebeu R$ 14 milhões da Odebrecht. Claudio Melo Filho também cita pagamento ao ministro, mas diz que não participou do acerto
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2013 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):14 milhões

Outro lado:Afirma que é preciso ter cautela com afirmações ainda não homologadas pela Justiça. Diz ainda que doações às campanhas dele, de companheiros do PSD, de aliados e ao partido foram feitas dentro da lei

GIM ARGELLO (PTB-DF)

Ex-senador
Apelido: Campari
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 22 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 1,5 milhão na campanha de 2010 via caixa dois. Em 2014, recebeu R$ 1 milhão também por caixa dois e R$ 300 mil em doação
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Apresentou emenda à medida provisória 599/2012 a pedido da Odebrecht
Ano: 2010 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):2,8 milhões
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE
Caixa dois

GUIDO MANTEGA (PT)

Ex-ministro de Lula e Dilma
Situação judicial na Lava Jato: 
Alvo de inquérito
É citado por:
Paulo Cesena, ex-presidente da Odebrecht Transport
O que fez, segundo a delação:Segundo o jornal "O Globo", Paulo Cesena diz que a Odebrecht emprestou, entre 2007 e 2009, R$ 3,5 milhões à Editora Confiança, responsável pela revista "Carta Capital", a pedido de Mantega
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2007 a 2009

Outro lado:A defesa afirmou que desconhece o assunto

HERÁCLITO FORTES (PSB-PI)

Deputado federal
Apelido: Boca mole
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 8 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 200 mil na campanha de 2010 via caixa dois. Pediu apoio financeiro na campanha de 2014 e recebeu R$ 50 mil em doação
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Fez análises políticas para a empresa e ajudou a resolver situação de funcionário morto no Iraque
Ano: 2010 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):250 mil
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE
Caixa dois

Outro lado:Diz que doações foram pagas legalmente e registradas na Justiça Eleitoral

HUGO NAPOLEÃO (PSD-PI)

Ex-governador, ex-deputado e ex-senador pelo Piauí
Apelido: Diplomata
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 2 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 100 mil na campanha de 2010 por meio de caixa dois. Pediu apoio financeiro na campanha de 2014 e recebeu R$ 100 mil em doação
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2010 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):200 mil
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE
Caixa dois

INALDO LEITÃO (PL-PB)

Ex-deputado federal
Apelido: Todo Feio, Cunhado
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 5 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 100 mil na campanha de 2010 via caixa dois
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2010
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):100 mil
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

IRACEMA PORTELLA (PP-PI)

Ex-deputada federal
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi uma vez citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 500 mil na campanha de 2014
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):500 mil
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE

Outro lado:Afirma que todas as doações recebidas foram declaradas em prestações de contas devidamente entregues à Justiça Eleitoral

JACQUES WAGNER (PT-BA)

Ex-ministro do governo Dilma e ex-governador da Bahia
Apelido: Polo
Situação judicial na Lava Jato: 
Alvo de inquérito
Foi 37 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Pediu a Marcelo Odebrecht apoio financeiro para concorrer a governador e recebeu R$ 3 milhões na campanha de 2006. Em 2010, recebeu R$ 7,5 milhões via caixa dois. Já em 2014, pediu apoio financeiro para Rui Costa e conseguiu R$ 10 milhões. Também ganhou relógios de aniversário em duas ocasiões no valor total de US$ 24 mil dólares
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Como ministro do governo Dilma, a pedido de Emilio Odebrecht, buscou solução para empresas atingidas pela Lava Jato que queriam continuar fazendo negócios com o governo. Como governador da Bahia, ajudou a resolver pendências da empresa com o governo do Estado
Ano: 2006, 2010, 2012, 2014 e 2015
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):20,5 milhões
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE
Caixa dois

Outro lado:Nega que doações de recursos campanha feitas pela Odebrecht seriam uma contrapartida a medidas adotadas pelo governo

JOÃO ALMEIDA (PSDB-BA)

Ex-deputado federal
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 5 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 500 mil na campanha de 2010
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Defendeu interesses da Odebrecht na Câmara e no TCU
Ano: 2010
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):500 mil
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

JORGE VIANA (PT-AC)

Senador
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
É citado por:
Não identificado
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 300 mil em dinheiro vivo da empreiteira em 2014
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é mencionado
Ano: 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):300 mil
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

Outro lado:Afirma que não pediu ou recebeu recursos ilegais e que considera as suposições absurdas

JOSÉ AGRIPINO MAIA (DEM-RN)

Senador
Apelido: Pino, Gripado
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 9 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 1 milhão na campanha de 2014, quando não era candidato, após pedido de Aécio Neves a Marcelo Odebrecht. Também recebeu contribuição de valor indeterminado na campanha de 2010
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Recebeu estudo sobre problemas na área de energia durante a campanha eleitoral
Ano: 2010 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):1 milhão
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

Outro lado:Afirma que não foi candidato em 2014 e que repele os fatos citados

JOSÉ CARLOS ALELUIA (DEM-BA)

Deputado federal
Apelido: Missa
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 4 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 300 mil na campanha de 2010 via caixa dois e doações de R$ 280 mil na campanha de 2014
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2010 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):580 mil
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE
Caixa dois

JOSÉ SERRA (PSDB-SP)

Ministro das Relações Exteriores
Apelido: Vizinho, Careca
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
É citado por:
Pedro Novis, presidente do conglomerado de 2002 a 2009 e atual membro do conselho administrativo da holding Odebrecht S.A, e o ex-diretor Carlos Armando Paschoal, que atuava no contato junto a políticos de São Paulo
O que fez, segundo a delação:Dois delatores afirmam que a empresa pagou R$ 23 mi via caixa dois à campanha de Serra na eleição de 2010; dinheiro teria sido pago em contas na Suíça
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2010
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):23 milhões
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

Outro lado:Afirma que campanha foi de acordo com lei eleitoral; finanças eram responsabilidade do PSDB

JOSÉ YUNES (PMDB-SP)

Assessor especial da Presidência da República e amigo de Michel Temer
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 3 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Escritório do advogado amigo de Michel Temer recebeu parte dos R$ 10 milhões prometidos por Marcelo Odebrecht a Temer
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):Valor não determinado
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

Outro lado:Nega ter recebido da Odebrecht qualquer quantia em dinheiro na campanha de 2014

JUTAHY MAGALHÃES (PSDB-BA)

Deputado federal
Apelido: Moleza
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 6 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 350 mil na campanha de 2010 via caixa dois, além de doação de R$ 500 mil na campanha de 2014
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Era visto como aliado pela empresa
Ano: 2010 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):850 mil
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE
Caixa dois

Outro lado:Afirma que todas as doações para suas campanhas de 2010 e 2014 foram recebidas de forma lícita e estão registradas no TSE. Diz também que defende os interesses da Bahia e do Brasil. "Em 2010 recebi menos do que consta na delação e em 2014 mais do que o valor citado e tudo legal em ambas campanhas", diz.

KÁTIA ABREU (PMDB-TO)

Senadora
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 3 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Pediu apoio financeiro e recebeu valor indeterminado
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: Não é indicado
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):Não é indicado

LEUR LOMANTO JUNIOR (PMDB-BA)

Deputado estadual
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 3 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 250 mil na campanha de 2014
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):250 mil
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE

Outro lado:Afirmou por meio de nota que o valor mencionado na delação foi originado de doações oficiais de campanha "conforme recibos nos números: 150150700000BA000039; 0150150700000000BA040;150150700000BA000045, informações essas disponibilizadas no site do TSE". Ele disse ainda que sua prestação de contas das eleições de 2014 foi aprovada pelo Tribunal Regional Eleitoral

LÍDICE DA MATA (PSB-BA)

Senadora
Apelido: Feia
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 3 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 200 mil na campanha de 2010
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Ignorou pedido de ajuda para projeto de turismo apoiado pela Odebrecht na Bahia
Ano: 2010
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

Outro lado:Diz que o próprio delator reconheceu que ela não atendeu pedido da Odebrecht e que não tem qualquer tipo de relação de negócios com a empresa. Afirma que todas as doações recebidas foram dentro da legalidade e devidamente declaradas

LUCIO VIEIRA LIMA (PMDB-BA)

Deputado federal
Apelido: Bitelo
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 7 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Irmão do ministro Geddel Vieira Lima, pediu contribuição financeira durante a discussão da Medida Provisória 613/2013 e recebeu de R$ 1 milhão a R$ 1,5 milhão. Também recebeu doação de R$ 400 mil na campanha de 2014
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Apoiou interesses da Odebrecht na discussão da Medida Provisória 613/2013, que concedeu incentivos fiscais que beneficiaram indústrias químicas e produtores de etanol
Ano: 2013 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):1,9 milhão
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE
Caixa dois

LULA (PT-SP)

Ex-presidente
Situação judicial na Lava Jato: 
Réu
É citado por:
Emilio Odebrecht, presidente do Conselho de Administração, Alexandrino Alencar, ex-diretor de Relações Institucionais, Marcelo Odebrecht, ex-presidente do grupo, e Paulo Melo, ex-diretor-superintendente da Odebrecht Realizações Imobiliárias
O que fez, segundo a delação:O patriarca da Odebrecht, Emilio Odebrecht, menciona Lula em sua delação; a Arena Corinthians teria sido construída como presente ao petista. O ex-diretor de Relações Institucionais Alexandrino Alencar menciona a reforma que a Odebrecht fez em sítio frequentado pelo ex-presidente em Atibaia (SP). Alencar, Marcelo Odebrecht, ex-presidente da Odebrecht, e Paulo Melo, ex-diretor-superintendente da Odebrecht Realizações Imobiliárias, afirmam que a empresa comprou, em 2010, um imóvel no valor de R$ 7,6 milhões para a nova sede do Instituto Lula
Ano: 2010
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):7,6 milhões
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

Outro lado:A defesa do ex-presidente Lula refuta que ele tenha recebido recursos ilícitos da Odebrecht. O Instituto Lula afirma que delações não são provas

MARCO MAIA (PT-RS)

Deputado federal
Apelido: Gremista
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 9 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Pediu apoio financeiro na campanha de 2014 e recebeu R$ 1,35 milhão
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):1,35 milhão
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

MICHEL TEMER (PMDB-SP)

Presidente da República
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 43 vezes citado na delação
É citado por:
Márcio Faria, ex-presidente da Odebrecht Engenharia Industrial, e Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Segundo o delator Márcio Faria, Temer participou de reunião, em 2010, para tratar de doações à campanha do PMDB em troca de facilitar a atuação da empreiteira em projetos da Petrobras. Temer era deputado federal e candidato a vice na chapa de Dilma Rousseff à época. A reunião teve a presença do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e de João Augusto Henriques, apontado como um dos lobistas do PMDB na Petrobras. De acordo com Claudio Melo Filho, Temer pediu a Marcelo Odebrecht apoio para campanhas do PMDB em 2014 e recebeu a promessa de que a empresa daria R$ 10 milhões ao partido. Segundo o delator, o dinheiro foi entregue a Paulo Skaf (PMDB) e ao ministro Eliseu Padilha (PMDB)
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:O delator afirma que Temer recebeu nota da Odebrecht sobre interesses da empresa em Portugal antes de uma viagem para aquele país
Ano: 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):10 milhões
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

Outro lado:Sobre o encontro, diz que foi organizado por Eduardo Cunha e não tratou de de valores e obras ou projetos nos quais a Odebrecht poderia atuar. Afirma que a contribuição de campanha acertada com o empresário Marcelo Odebrecht foi feita por meio de transferência bancária e registrada na Justiça Eleitoral e que não houve recebimento destes recursos em dinheiro

MOREIRA FRANCO (PMDB-RJ)

Secretário do Programa de Parcerias em Investimentos do governo de Michel Temer
Apelido: Angorá
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 34 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht, e Paulo Cesena, ex-presidente da Odebrecht Transport
O que fez, segundo a delação:Segundo Claudio Melo Filho, Moreira pediu apoio financeiro para o PMDB nas eleições de 2014 durante reunião para tratar de assuntos de interesse da Odebrecht no aeroporto do Galeão. O jornal "O Globo" afirma que, segundo Paulo Cesena, Moreira recebeu R$ 4 milhões em nome do PMDB em 2014
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Segundo Paulo Cosena, o objetivo era ter livre acesso a Moreira, então ministro da Aviação Civil de Dilma Rousseff
Ano: 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):4 milhões

Outro lado:Afirma que jamais falou de política ou de recursos para o PMDB com os delatores

ORLANDO SILVA (PC DO B-SP)

Deputado federal
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi uma vez citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Pediu apoio financeiro na campanha de 2014 e recebeu R$ 100 mil
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):100 mil
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE

Outro lado:Diz que doações eleitorais feitas pelo grupo Odebrecht à campanha de 2014 foram realizadas dentro dos marcos legais do período, que ainda previa a contribuição de empresas, e que as doações foram registradas na Justiça Eleitoral. Afirma ainda que as doações foram feitas sem qualquer exigência ou compromisso de qualquer retribuição ou contrapartida

PAES LANDIM (PTB-PI)

Deputado federal
Apelido: Decrépito
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 4 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 100 mil na campanha de 2010 via caixa dois. Em 2014, recebeu R$ 80 mil em doação
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Elogiou a empresa em discursos no plenário
Ano: 2010 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):180 mil
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE
Caixa dois

Outro lado:Afirma que as doações recebidas foram contabilizadas, registradas e transparentemente declaradas à Justiça Eleitoral. Diz que jamais recebeu recurso via caixa dois e jamais agiu na defesa dos interesses da Odebrecht ou de qualquer outra empresa

PAULO HENRIQUE LUSTOSA (PP-CE)

Deputado federal
Apelido: Educador
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 3 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 100 mil na campanha de 2010 por meio de caixa dois e mais R$ 100 mil, em 2014, por meio de doações
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2010 e 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):200 mil
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE
Caixa dois

PAULO MAGALHÃES JUNIOR (PV-BA)

Vereador
Apelido: Goleiro
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 3 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 50 mil na campanha de 2010
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2010
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):50 mil
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

PAULO SKAF (PMDB-SP)

Presidente da Fiesp
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi uma vez citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 6 milhões dos R$ 10 milhões prometidos por Marcelo Odebrecht a Michel Temer
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):6 milhões
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

Outro lado:Afirmou por meio de nota que nunca pediou ou autorizou que pedissem doações de campanha "que não as regularmente declaradas em suas prestações de contas" e que as prestações foram aprovadas pela Justiça Eleitoral

RENAN CALHEIROS (PMDB-AL)

Presidente do Senado
Apelido: Justiça
Situação judicial na Lava Jato: 
Denunciado
Foi 60 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 500 mil na campanha de 2010 via caixa dois. Também pediu apoio financeiro para a campanha do filho a governador de Alagoas, em 2014, durante reunião com executivos da Braskem e recebeu as quantias de R$ 320 mil e R$ 1,2 milhão em doações. Ainda recebeu, com o senador Romero Jucá (PMDB-RR), R$ 4 milhões via caixa dois
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Apresentou emenda de interesse da Odebrecht à Medida Provisória 579/2012, sobre o setor de energia. Apoiou interesses da Odebrecht na renovação dos contratos de concessão do setor elétrico, incluindo emendas à Medida Provisória 677/2015. Também apoiou interesses da Odebrecht na discussão da Medida Provisória 613/2013, que concedeu incentivos fiscais que beneficiaram indústrias químicas e produtores de etanol. E apoiou 34 emendas apresentadas por Romero Jucá a 9 medidas provisórias para solucionar pendência da Odebrecht em contratos com a Chesf
Ano: 2010, 2013, 2014 e 2015
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):6,02 milhões
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE
Caixa dois

Outro lado:Afirma que jamais autorizou que terceiros falassem em seu nome e que chance de se encontrar irregularidades em suas contas pessoais ou eleitorais é zero

ROBÉRIO NEGREIROS (PSDB-DF)

Deputado distrital
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 2 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 50 mil na campanha de 2014
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é indicado
Ano: 2014
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):50 mil
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE

RODRIGO MAIA (DEM-RJ)

Presidente da Câmara dos Deputados
Apelido: Botafogo
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 5 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu R$ 500 mil na campanha de 2010. Pediu contribuição financeira para cobrir gastos de sua campanha a prefeito em 2012 e recebeu R$ 100 mil
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Apoiou interesses da Odebrecht na discussão da Medida Provisória 613/2013, que concedeu incentivos fiscais que beneficiaram indústrias químicas e produtores de etanol
Ano: 2010 e 2013
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):600 mil
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

Outro lado:Todas as doações eleitorais recebidas foram legais e devidamente declaradas ao TSE. Nega ter participado de qualquer tipo de negociação com a Odebrecht para aprovação de medida provisória ou de outra proposta legislativa

ROMÁRIO (PSB-RJ)

Senador
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
Foi 5 vezes citado na delação
O que fez, segundo a delação:Segundo o delator, um diretor da Odebrecht lhe pediu que doasse para a campanha de Romário, mas, seguindo orientações de outro diretor, a contribuição não foi feita

ROMERO JUCÁ (PMDB-RR)

Senador
Apelido: Caju
Situação judicial na Lava Jato: 
Alvo de inquérito
Foi 105 vezes citado na delação
É citado por:
Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht
O que fez, segundo a delação:Recebeu para apoiar interesses da Odebrecht durante a discussão de três projetos de lei e 11 medidas provisórias no Congresso. Em 2006, recebeu apoio financeiro na campanha, mas o valor não foi especificado. Recebeu R$ 4 milhões via caixa dois após atender a interesse da Odebrecht na discussão do PRS 72/2010. Segundo o delator, recebeu mais R$ 6 milhões em caixa dois para ajudar a Odebrecht a resolver pendências relativas ao contrato da usina hidrelétrica de Santo Antonio, mas os pagamentos somam R$ 7 milhões. Pediu apoio financeiro para senadores do PMDB durante a discussão da Medida Provisória 613/2013 e recebeu R$ 4 milhões via caixa dois. Também pediu contribuição para a campanha do filho em Roraima e recebeu R$ 150 mil em doação eleitoral. Durante a discussão da Medida Provisória 627/13 recebeu, segundo o delator, R$ 5 milhões, mas os pagamentos, via caixa dois, somam R$ 9,83 milhões
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Apoiou interesses da Odebrecht nas discussões das medidas provisórias 449/2008, 460/2009, 470/2009, 472/2009, 579/2012 e do PLC 6/2009. Também apoiou interesses da empresa nas medidas provisórias 252/2005 e 255/2005, que concederam incentivos fiscais a vários setores e beneficiaram a Braskem. Apoiou emenda de interesse da Odebrecht no PLC 32/2007, que introduz mudanças na Lei 8.666/1993, a Lei de Licitações. Apoiou o PRS 72/2010, que garantiu tratamento tributário favorável a operações de interesse de empresas da Odebrecht. Ajudou a empresa a resolver pendências relativas ao contrato da usina hidrelétrica de Santo Antonio. Apoiou emenda de interesse da Abiquim e da CNI à Medida Provisória 563/2012. Apresentou 34 emendas a 9 medidas provisórias para solucionar pendência da Odebrecht em contratos com a Chesf. Ainda apoiou interesses da Odebrecht na Medida Provisória 613/2013, que concedeu incentivos fiscais que beneficiaram indústrias químicas e produtores de etanol. Apresentou 4 emendas à Medida Provisória 651/2014, que garantiu vários benefícios a empresas. Também apoiou interesses da empreiteira na Medida Provisória 627/2013, que garantia tratamento tributário mais vantajoso para lucros obtidos no exterior
Ano: 2006 a 2015
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):24,98 milhões
Como a empresa diz que pagou:
Doação eleitoral registrada no TSE
Caixa dois

Outro lado:Afirma desconhecer a delação e nega ter recebido recursos para o PMDB. Afirmou que, na condição de líder do governo, sempre tratou com várias empresas, mas em relação à articulação de projetos que tramitavam na Casa

TIÃO VIANA (PT-AC)

Governador do Acre
Apelido: Menino da floresta
Situação judicial na Lava Jato: 
Citado em delação
É citado por:
Não identificado
O que fez, segundo a delação:Recebeu da Odebrecht R$ 2 milhões de caixa dois para sua campanha ao governo do Acre, em 2010
O que fez para a Odebrecht, segundo a delação:Não é mencionado
Ano: 2010
Quanto a Odebrecht diz que pagou (em R$):2 milhões
Como a empresa diz que pagou:
Caixa dois

Outro lado:Negou irregularidades e disse nunca ter se reunido com funcionários da Odebrecht

Nenhum comentário: