PENSAR "GRANDE":

***************************************************
[NÃO TEMOS A PRESUNÇÃO DE FAZER DESTE BLOGUE O TEU ''BLOGUE DE CABECEIRA'' MAS, O DE APENAS TE SUGERIR UM ''PENSAR GRANDE''].
***************************************************


“Pode-se enganar a todos por algum tempo; Pode-se enganar alguns por todo o tempo; Mas não se pode enganar a todos todo o tempo...” (Abraham Lincoln).=>> A MÁSCARA CAIU DIA 18/06/2012 COM A ALIANÇA POLÍTICA ENTRE O PT E O PP.

----

''Os Economistas e os artistas não morrem..." (NHMedeiros).

"O Economista não pode saber tudo. Mas também não pode excluir nada" (J.K.Galbraith, 1987).

"Ranking'' dos políticos brasileiros: www.politicos.org.br

=========
# 38 RÉUS DO MENSALÃO. Veja nomes nos ''links'' abaixo:
1Radio 1455824919 nhm...

valor ...ria...nine

folha gmail df1lkrha

***

terça-feira, outubro 17, 2017

Paraná tem o melhor deputado do Brasil e Maringá o pior do Paraná

#

Paraná tem o melhor deputado do Brasil e Maringá o pior do Paraná


Por Victor Faria.
Luiz Carlos Hauly
O paranaense Luiz Carlos Hauly foi considerado o melhor deputado federal do Brasil, neste ano, em levantamento feito pelo site politicos.org.br
O Paraná tem o melhor deputado federal do Brasil e Maringá o pior do Paraná. É isso que mostra o ranking de 2017 do site polítcos.org.br, que propõe uma série de critérios para justificar pontuações positivas e negativas de todos os deputados federais no Brasil.
Em primeiro lugar – tanto no Paraná, quanto no Brasil – o londrinense Luiz Carlos Hauly (PSDB) foi o deputado federal que adquiriu a melhor pontuação. Ele alcançou 219 pontos, em uma média que é feita entre os seis critérios, como “Qualidade Legislativa” e “Processos Judiciais”.
Enio Verri
Levantamento apontou que o deputado federal Enio Verri foi o pior legislador do Estado em 2017
Por outro lado, o maringaense Enio Verri (PT) foi considerado o pior deputado federal do Paraná, com -183 pontos. Com essa pontuação negativa, Verri está na 489ª colocação geral do ranking, com 513 deputados.
A assessoria de Verri disse que está em contato com os avaliadores do site, para saber quais critérios estão sendo utilizados, “pois não fica clara como é feita a avaliação das leis”.
“Estamos aguardando o site responder. O deputado votou contra a reforma do ensino médio, por exemplo, e por isso, perdeu 20 pontos. Quer dizer, todos têm que votar à favor para serem bem avaliados? Qual o critério que o site utiliza? Estamos aguardando respostas do site para respondermos de maneira consistente”, ressaltou.
Outro deputado maringaense que detém nota negativa é Edmar Arruda (PSD), com -97 pontos.  Ele aparece na 28ª colocação do Paraná – entre os 30 deputados federais do Estado -, e na 419ª colocação do Brasil.
O maringaense melhor colocado no site é Luiz Nishimori (PR). Está na 13ª posição no Paraná e 156ª no geral. O deputado é, também, o único maringaense com pontuação positiva no ranking: 51 pontos.
O quarto deputado federal maringaense, Ricardo Barros, não aparece no ranking, já que está afastado do parlamento para exercer a função de ministro da Saúde.
Procurados pela reportagem, nem Edmar Arruda e nem Luiz Nishimori responderam os questionamentos do Maringá Post até às 11 de hoje.
Edmar Arruda
Deputado federal Edmar Arruda (PSD) teve nota negativa no levantamento do site

Alvaro Dias é o melhor e Gleisi a pior

O site avalia também os 80 senadores – Aécio Neves, por estar afastado, não consta do ranking. O PP tem a melhor e o pior senador do País.
Na primeira colocação está a senadora gaúcha Ana Amélia, com 194 pontos. E o pior é o rondoniense Ivo Cassol, com -639 pontos.
Entre os senadores paranaense o mais bem colocado é Alvaro Dias (Podemos), que está na 27ª colocação geral, com 64 pontos. Alvaro também é o único senador paranaense com pontuação positiva.
Na segunda colocação do Estado está o senador Roberto Requião (PMDB), com -53 pontos, estando na 66ª posição no ranking geral do site.
Na terceira e última posição está a senadora Gleise Hoffmann (PT), com -110 pontos. A petista se encontra na 73ª colocação geral entre os 80 senadores.

PSDB é o partido melhor colocado

O partido que tem deputados federais nas melhores colocações no ranking é o PSDB, que tem, entre os dez melhores colocados, seis deputados. São eles, pela ordem:
  • Luiz Carlos Hauly (PR)
  • Daniel Coelho (PE)
  • João Gualberto (BA)
  • Fábio Souza (GO)
  • Pedro Cunha Lima (PB)
  • Lobbe Neto (SP)
Os deputados petistas aparecem apenas a partir da 315ª colocação. O melhormelhor colocado do partirdo é Angelim, do Acre, com -43 pontos. E pior é Ságuas Moraes, do Mato Grosso, com -373 pontos.
No Paraná, além de Enio Verri, há também Zeca Dirceu, que está 458ª colocação geral do Ranking, com -127 pontos.
O PMDB, partido do presidente da República e dono da maior bancada na Câmara dos Deputados – com 61 parlamentares -, tem legisladores a partir da 9ª colocação – Jones Martins (RS), com 168 pontos – até a penúltima colocação – Celson Jacob (RJ), com -485 pontos.

Critérios utilizados na avaliação

Ao todo, são cinco critérios centrais que alicerçam as avaliações do ranking e um critério “extra”. São eles:
  • Presença nas sessões
A cada 10% acima da média de faltas: – 10 pontos
A cada 10% abaixo da média de faltas: + 10 pontos
A pontuação para algum ano específico será anualizada, dividindo-se a nota pelo número de ano decorridos no mandato.
  • Privilégios:
A cada 10% acima da média de gastos: – 10 pontos
A cada 10% abaixo da média de gastos: + 10 pontos
A pontuação para algum ano específico será anualizada, dividindo-se a nota pelo número de ano decorridos no mandato.
  • Processos Judiciais:
Cada processo judicial: – 10 pontos
Cada acusação grave: – 10 pontos
Processos graves com condenação: Pesa o triplo
  • Qualidade Legislativa:
O politicos.org.br tem um Conselho de Avaliação de Leis que pontua as leis consideradas mais importantes de – 30 a + 30. De acordo com o site, é levado em consideração principalmente o combate à corrupção, aos privilégios e ao desperdício de recursos públicos.
  • Outros:
Formação:
+ 5 para formação universitária.
Filiação Partidária:
1 partido: + 10
2 partido: 0
3 partido: – 10
4 partido: – 20
5 partido: – 30
  • Extras:
    As pontuações extras são fruto de alguma iniciativa relevante não prevista nos demais critérios. Por exemplo, parlamentares que assinam bons projetos, mesmo que não consigam o mínimo possível de assinaturas para serem discutidos. Da mesma forma, os parlamentares podem perder pontos por conta de algum fato importante que não se enquadre nos critérios.
Reportagem atualizada às 16h30 de terça-feira (17/10) com o link para reportagem publicada pelo site do PT de Maringá. 

sábado, outubro 14, 2017

O deus da seita exige o mesmo respeito que o demônio

O deus da seita exige o mesmo respeito que o demônio

Lula invoca o diabo para ser tratado com a reverência que nenhum corrupto condenado merece.


http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/o-deus-da-seita-exige-o-mesmo-respeito-que-o-demonio/
Augusto Nunes/VEJA

Ex-presidente Lula


Até os mais assíduos frequentadores de missa negra ficaram confusos com o Sermão do Lascado. Sobretudo ao ouvirem o trecho em que a única divindade da seita dos devotos de quadrilheiros disse a seus discípulos: “Eu não tenho cara de demônio, mas quero que me respeitem como se eu fosse”.
O pregador vigarista disse mais de uma vez que é católico. Se não mentiu, deve saber que quem inspira respeito é Deus; o demônio inspira medo. Lula nunca foi respeitado por gente séria. E deixou de ser temido desde que as investigações da Lava Jato expuseram a nudez do reizinho.

A Justiça dos homens já o condenou a 9 anos e meio de cadeia ─ por enquanto. Ao fantasiar-se de diabo respeitável, apenas consolidou a certeza de que, no dia do Juízo Final, será reprovado com louvor.

domingo, outubro 08, 2017

Falta um ano para as eleições de 2018; o que mudou em 4 anos?


Falta um ano para as eleições de 2018; o que mudou em 4 anos?

A um ano da disputa de 2014, a Lava Jato não existia, Dilma era presidente, Lula não era acusado de nada, Aécio era aclamado e Doria apresentava talk show.

VEJA/Da Redação.

A um ano da eleição de 2018 cenário político mudou muito em relação a 2013






‘Perto do fim’, Lava Jato no PR tem 24 sentenças à espera de Moro


‘Perto do fim’, Lava Jato no PR tem 24 sentenças à espera de Moro

Juiz declarou em SP que maioria dos envolvidos no escândalo da Petrobras já foi processada, mas ponderou que ainda há investigações relevantes em andamento.


VEJA/Da Redação.

Juiz Sergio Moro
Depois de 34 sentenças, 170 condenações, 109 condenados e 1.680 anos, 3 meses e 25 dias de prisão decretados, a Lava Jato em Curitiba está “possivelmente, chegando perto do fim”. A declaração, tal qual reproduzida, foi dada na última segunda-feira pelo ícone da operação na primeira instância, o juiz federal Sergio Moro. Ao receber um prêmio em São Paulo, o magistrado explicou a afirmação alegando que “grande parte” dos recebedores e pagadores de propinas no esquema de corrupção na Petrobras já foi processada.
Apesar de sua constatação – e da confissão de que está “um pouco cansado” em virtude do volume de trabalho dos últimos anos –, Moro afirmou que ainda há “investigações relevantes em andamento” e que não pensa, neste momento, em deixar a 13ª Vara Federal de Curitiba. Neste caso, o magistrado ainda terá pela frente pelo menos 24 ações penais da Lava Jato abertas e ainda não concluídas, ou seja, ainda sem uma sentença com a assinatura de Moro.

Lula e a Odebrecht

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva
O ex-presidente Lula depõe a Moro na sede da Justiça Federal em Curitiba (PR) – 13/09/2017 (Reprodução/Youtube)
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é acusado neste processo dos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro por supostamente ter recebido propinas de 13 milhões de reais da Odebrecht. Parte do dinheiro, 12,4 milhões de reais, sustenta a força-tarefa da Lava Jato, teria sido empregada na compra de um terreno em São Paulo para abrigar a sede do Instituto Lula – que acabou sendo construído em outro endereço. Outros 504.000 reais teriam sido usados para comprar cobertura vizinha à de Lula no edifício Hill House, em São Bernardo do Campo (SP). As duas aquisições teriam sido feitas por meio de laranjas: no caso do terreno, o empresário Demerval Gusmão; no caso da cobertura, Glaucos da Costamarques, primo do pecuarista José Carlos Bumlai, amigo de Lula.
Serão julgados nesse processo o ex-presidente, Gusmão, Costamarques, o empreiteiro Marcelo Odebrecht, o ex-ministro Antonio Palocci, o ex-assessor de Palocci Branislav Kontic e o advogado e compadre de Lula, Roberto Teixeira.

O sítio de Atibaia, Lula e as empreiteiras

Lula: sítio em Atibaia
O ex-presidente Lula e o empreiteiro Léo Pinheiro no sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP) (Polícia Federal/Reprodução)
A denúncia aceita por Sergio Moro acusa Lula dos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no suposto recebimento de 1 milhão de reais em propina de empreiteiras, por meio de reformas no Sítio Santa Bárbara, em Atibaia, frequentado pela família do petista. As vantagens indevidas teriam incluído a construção de anexos e benfeitorias na propriedade, a exemplo da instalação de uma cozinha de alto padrão. Odebrecht e OAS teriam arcado com 870.000 reais das obras e a construtora Schahin, por meio do pecuarista José Carlos Bumlai, teria pago 150.500 reais.
Também são réus neste processo, além de Lula e Bumlai, os empresários Emílio e Marcelo Odebrecht, os executivos da Odebrecht Carlos Armando Paschoal, Alexandrino Alencar e Emyr Diniz, os executivos da OAS Léo Pinheiro, Paulo Gordilho e Agenor Franklin de Medeiros, além de Fernando Bittar, proprietário oficial do sítio, o advogado Roberto Teixeira e o ex-assessor especial da Presidência da República Rogério Aurélio Pimentel.

Aldemir Bendine e a Odebrecht

Ex-presidente da Petrobras Aldemir Bendine - 28/01/2016
O ex-presidente do Banco do Brasil e da Petrobras, Aldemir Bendine – 28/01/2016 (Sergio Moraes/Reuters)
Preso na 42ª fase da Lava Jato, batizada de Operação Cobra, o ex-presidente do Banco do Brasil e da Petrobras Aldemir Bendine será julgado por Sergio Moro pelos crimes de corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro, organização criminosa e embaraço às investigações. O Ministério Público Federal (MPF)afirma que Bendine recebeu, quando estava prestes a trocar a presidência do banco estatal pela da petrolífera, em 2015, 3 milhões de reais em propina da Odebrecht. O dinheiro teria sido pago aos irmãos Antonio Carlos e André Gustavo Vieira da Silva por meio de repasses em dinheiro vivo e pagamentos a empresas deles.
Também são réus neste processo, além de Bendine e dos irmãos Vieira da Silva, o empreiteiro Marcelo Odebrecht, o executivo da Odebrecht Ambiental Fernando Reis e o doleiro Álvaro Novis.

O terceiro processo contra Dirceu

O ex-ministro José Dirceu, que foi condenado em um processo e aguarda sentença em outro(Reprodução/Reprodução)
Já condenado pelo juiz federal a 42 anos e 10 dias de prisão, o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu ainda tem um processo não finalizado sob responsabilidade de Sergio Moro. Dirceu foi denunciado pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro pelo suposto recebimento de 2,4 milhões de reais em propina das empreiteiras Engevix e UTC. Segundo os procuradores da Lava Jato, o valor era oriundo de desvios de contratos da Petrobras e teria sido utilizado pelo petista para custear sua assessoria de comunicação durante o julgamento do mensalão, em 2012.
Além de José Dirceu, são réus nesta ação penal o ex-sócio da Engevix Gerson Almada, o ex-diretor da UTC Walmir Pinheiro Santana, o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto e o irmão de Dirceu, Luiz Eduardo de Oliveira e Silva.

Pagamentos ao marqueteiro do PT

Depoimento do marqueteiro João Santana durante delação premiada firmada com o MPF (//Reprodução)
Condenados por Moro em outros processos da Lava Jato, o marqueteiro João Santana e o empreiteiro Marcelo Odebrecht estão entre os réus em uma ação penal que apura se Santana e sua mulher, Mônica Moura, receberam da Odebrecht 3 milhões de dólares, transferidos a uma conta do casal na Suíça. Os pagamentos, entre outubro de 2014 e maio de 2015, seriam referentes ao trabalho do marqueteiro na campanha que reelegeu a ex-presidente Dilma Rousseff (PT).
Serão julgados nesta ação penal, além de Odebrecht, Santana e Mônica, os ex-executivos da empreiteira Hilberto Mascarenhas, Isaías Ubiraci, Marcelo Rodrigues, Luiz Eduardo Soares e Olívio Rodrigues, as ex-funcionárias da empresa Maria Lúcia Guimarães Tavares e Angela Palmeira e o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto.

O ‘operador dos operadores’

Sergio Moro aceitou a denúncia dos procuradores da Lava Jato contra o lobista Jorge Luz por supostos desvios de 40 milhões de reais em contratos das diretorias Internacional, de Abastecimento e de Serviços da Petrobras a partir de 2006. Conhecido como “operador dos operadores de propina” e ligado a peemedebistas como os senadores Renan Calheiros (AL) e Jader Barbalho (PA), Luz foi preso na 38ª fase da Lava Jato, a Operação Blackout, deflagrada em fevereiro de 2017.
Moro julgará, além do lobista, o filho dele, Bruno Luz, os ex-gerentes da Petrobras Demarco Jorge Epifânio e Luiz Carlos Moreira da Silva, o ex-funcionário da estatal Agosthilde de Monaco, os empresários Milton Taufic Schahin e Fernando Schahin e os doleiros uruguaios Jorge Davies e Raul Fernando Davies.

Delúbio e o empréstimo fraudulento

Delúbio Soares
O ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares, condenado no julgamento do mensalão e em outro processo da Lava Jato, é réu em uma ação aberta e ainda não concluída por Sergio Moro. Figuram ao lado dele entre os acusados o ex-prefeito de Campinas (SP) Hélio de Oliveira Santos, conhecido como Doutor Hélio, o empresário Natalino Bertin, o ex-presidente do Banco Schahin Sandro Tordin e os marqueteiros Giovane Favieri e Armando Peralta Barbosa. Delúbio é acusado de intermediar à campanha de Doutor Hélio, em 2004, parte do empréstimo fraudulento de 12 milhões de reais feito naquele ano pelo Banco Schahin ao pecuarista José Carlos Bumlai, que nunca foi pago e acabou compensado por um contrato bilionário da empreiteira Schahin com a Petrobras.

Costa acusado de obstrução

PauloRobertoCosta
Primeiro delator da Operação Lava Jato, o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa já foi condenado por Moro a 74 anos 6 meses e 10 dias de prisão em sete processos e é réu em outra ação penal, ainda sem sentença. Costa é acusado pelo MPF do crime de obstrução de Justiça, assim como suas filhas, Ariana Azevedo Costa Bachmann e Shanni Azevedo Costa Bachmann, e um genro, Marcio Lewkowicz. No dia da operação que prendeu o ex-diretor da estatal, em 2014, Ariana, Shanni, Lewkowicz e Humberto Sampaio, genro de Costa falecido em fevereiro de 2017, foram ao escritório dele e retiraram de lá documentos que o incriminariam. O processo aguarda uma decisão de Moro desde março deste ano.
Veja também

Os dois processos de Alberto Youssef

Alberto Youssef
Assim como Paulo Roberto Costa, o doleiro Alberto Youssef, segundo delator da Lava Jato, também tem processos ainda pendentes na 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba. Condenado a 122 anos e três meses de prisão porMoro em nove ações penais, Youssef ainda será julgado em outros dois processos. Ele está em prisão domiciliar desde novembro de 2016, após passar dois anos e oito meses detido em Curitiba.

Os quatro processos de João Vaccari

Apontado pelo MPF como principal operador de propinas do PT no esquema de corrupção da Petrobras, o ex-tesoureiro petista João Vaccari Neto acumula penas de 45 anos e meio de prisão a partir de cinco sentenças de Moro. Com duas absolvições em segunda instância, no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), remanescem 21 anos e dois meses das penas definidas pelo juiz federal, que ainda vai sentenciar Vaccari em outras quatro ações penais abertas na primeira instância e ainda não concluídas. O ex-tesoureiro está preso na capital paranaense desde abril de 2015.

Os cinco processos de Renato Duque

Ex-diretor de Serviços da Petrobras, Renato Duque tem condenações que somam 72 anos, 11 meses e 10 dias pelo juiz Sergio Moro, em primeira instância. Detido em Curitiba desde março de 2015, Duque não fechou delação premiada com o Ministério Público Federal ainda será julgado pelo magistrado em cinco processos da Lava Jato.

http://veja.abril.com.br/politica/perto-do-fim-lava-jato-no-pr-tem-24-sentencas-a-espera-de-moro/